De palácio a aldeias com servos, os presentes de Catarina, a Grande

Catarina, a Grande governou o Império Russo entre 1762 e 1796

Catarina, a Grande governou o Império Russo entre 1762 e 1796

Global Look Press
Carruagem, cama de aço e até aldeias inteiras (com servos) – esses são apenas alguns presentes que a imperatriz Catarina 2ª, conhecida como a Grande, deu a seus conhecidos e queridos e que realmente fazem jus ao apelido da tsarina.

Carruagem

Foi a bordo desta carruagem que, em 1767, a imperatriz Catarina 2ª entrou em Kazan. Reza a lenda que ela entregou o coche ao arcebispo de Kazan, Veniamin, mas ele não figurava no inventário da casa do sacerdote.

Sabe-se, porém, que, em 1889, o então arcebispo de Kazan, Pável, doou a carruagem à Duma municipal (Assembleia Legislativa), que o repassou ao Museu da Cidade de Kazan. A carruagem tem 6 metros de comprimento e 2,8 metros de altura; o diâmetro das rodas traseiras é de 1,8 metro. Zeus, Netuno e Vênus estão retratados nas laterais.

Carruagem de Catarina, a Grande (Foto: Museu Nacional da República do Tatarstão)Carruagem de Catarina, a Grande (Foto: Museu Nacional da República do Tatarstão)

Uma luva

Em 20 de abril de 1767, Catarina visitou um hospital de crianças abandonadas em Kitai-Gorod, perto do Portão Varvarskiye, e entregou suas luvas a dois órfãos – a mão esquerda para Ivan Guerassimov e a direita para Mikita Andreiev. Quase 156 anos depois, as luvas foram reunidas na coleção do Museu Histórico do Estado.

Par de óculos

A Imperatriz deu seus próprios óculos como presente ao vice-Governador de São Petersburgo, Novoseltsev. Ele ordenou então que um estojo fosse feito com a seguinte inscrição: “Os óculos aqui armazenados, que costumavam pertencer à Grande Imperatriz, foram concedidos ao vice-governador de São Petersburgo, Novoseltsev, em 4 de novembro de 1786, durante uma discussão com Sua Majestade sobre as dores de cabeça dele”. Na ocasião, Catarina aconselhou Novoseltsev a usar óculos para se livrar das dores de cabeça e deu seu próprio par a ele.

Presente da tsarina a Novoseltsev (Foto: Museu Histórico do Estado)Presente da tsarina a Novoseltsev (Foto: Museu Histórico do Estado)

Tambor infantil

Entre os brinquedos dados por Catarina, a Grande a seu neto, o Grão-duque Aleksandr, estava esse tambor de prata com um monograma do Grão-duque ao lado. Mesmo depois de Aleksandr crescer, o tambor permaneceu nos quartos das crianças do Palácio de Inverno, e vários outros sucessores do trono o tocaram.

Детский барабан великого князя Александра Павловича / Государственный ЭрмитажДетский барабан великого князя Александра Павловича / Государственный Эрмитаж

Sabre

Acredita-se que esse sabre também tenha sido um dos presentes de Catarina a seu neto Aleksandr, o futuro imperador. Possivelmente, data do final da década de 1770, e a lâmina tem as seguintes inscrições em ouro: “A era do sultão Guleimam, no ano 957 (1540/1541)”, “Não há Deus se não Allah”, “O Todo-Poderoso” e “Que Allah te guarde”. Na frente do punho há uma imagem do imperador romano Augusto, e, no verso, de Alexandre, o Grande.

Jogo de xadrez

Um jogo de xadrez feito de marfim e esculturas finas foi feito pela própria imperatriz, de acordo com uma inscrição no estojo: “Esculpida por Sua Majestade Imperial Catarina 2ª. Recebida em 25 de fevereiro de 1766”. Dmítri Ivanov, que trabalhou como chefe do Arsenal de 1922 até a década de 1930, sugeriu que a imperatriz tivesse presenteado o jogo de xadrez a seu secretário pessoal, Ivan Betski.

Jogo de louça

A imperatriz encomendou um jogo de jantar em 1777 como presente para o seu favorito, o príncipe Grigôri Potemkin. O jogo consistiu em mais de 700 itens criados com formas jamais usadas em outros modelos. A decoração tinha monograma floral de Catarina e representações de camafeus de originais antigos da coleção de Luís 15.

Taças para sorvete com camafeus (Foto: Hermitage)Taças para sorvete com camafeus (Foto: Hermitage)

Cama de aço

A cama era um presente de casamento para a sobrinha do príncipe Potemkin, Aleksandra Vassilievna Engelhardt, que, em 1781, casou-se com o nobre polonês Hetman Franciszek Ksawery Branicki.

A cama foi feita por ordem especial da imperatriz na Fábrica de Armas de Tula. A parte inferior das colunas é decorada com facetas de diamante. Atualmente, a cama está em exposição no Museu de Etnografia, Artes e Artesanato de Lviv.

Aldeias

Em 1779, Catarina concedeu a seu secretário oficial, Piotr Zavadovski, as aldeias de Popovka, Veselovka e Zavidovka, além de outras na província de Moguilev.

A população combinada era de “3.950 almas masculinas, para seu serviço... Durante a guerra... Sob o marechal-general Rumiantsev-Zadunaiski”.

Palácio

A construção do Palácio Anitchkov começou em 1741 por decreto da imperatriz Isabel para o seu favorito, Aleksêi Razumovski. Em 1776, Catarina 2ª comprou o palácio barroco (o último arquiteto que trabalhou nele foi Rastrelli) de Kirill Razumovski, irmão de Aleksêi, e entregou-o ao seu favorito, Grigôri Potemkin.

Primeiramente o príncipe ordenou ao arquiteto Ivan Starov que reconstituísse o antigo palácio, mas depois decidiu vendê-lo a um comerciante chamado Chemiakin.

Mas Potemkin não conseguiu se livrar do presente real porque Catarina readquiriu o edifício novamente – e novamente o deu de presente a ele.

Palácio Anitchkov, em São Petersburgo (Foto: Iúri Belinski/TASS)Palácio Anitchkov, em São Petersburgo (Foto: Iúri Belinski/TASS)

Versão resumida de artigo originalmente publicado em russo pela Arzamas.
Preparado por Elizaveta Kanatova.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.