Da Argentina à Indonésia, os territórios que poderiam ter sido russos

Exploradores e comerciantes russos se instalaram na ilha havaiana de Kauai no século 19

Exploradores e comerciantes russos se instalaram na ilha havaiana de Kauai no século 19

Getty Images
O Império Russo teve muitas oportunidades de adquirir territórios ultramarinos em lugares tão distantes quanto Argentina e Indonésia. Porém, considerações práticas desempenharam um papel importante na recusa da Rússia em aceitar tais ofertas.

O Império Russo, que existiu de 1721 a 1917, situava-se em vastos territórios que se estendiam desde o Pacífico até os mares Báltico e Negro. Ainda assim, o império não chegou a ser uma potência colonial marítima.

Um domínio predominantemente conquistado por terra, a Rússia teve poucas possessões ultramarinas coloniais distantes quando comparado com Espanha, Grã- Bretanha, França e Portugal. No entanto, em diferentes períodos da época dos tsares, o império teve várias oportunidades de seguir o modelo de outros países europeus.

Mar Mediterrâneo

Durante a Guerra de Independência dos EUA, quando as 12 colônias do Império Britânico na América do Norte lutaram por sua emancipação, a Rússia teve a chance de obter a ilha de Minorca, no arquipélago das Baleares, que pertencia aos britânicos.

Na época, a Grã-Bretanha ofereceu a ilha em troca de apoio russo no conflito contra as colônias. Mas a Rússia fazia então parte de uma aliança antibritânica formada por países europeus para ajudar o que viria a ser os Estados Unidos da América.

Acredita-se que Catarina 2ª, que governava o Império Russo, teria se recusado a aceitar a oferta britânica, dizendo que “a noiva é boa demais para ser complacente”. Com isso, ela quis dizer que a noiva (Rússia) tinha muito respeito por si mesma para ser atraída pela oferta dos britânicos.

Em 1783, a Grã-Bretanha cedeu a Minorca à Espanha, que ainda administra a ilha.

Uma década e meia depois, quando os franceses ocuparam Malta, os britânicos convidaram a Rússia a libertar o território juntos e compartilhar a ilha. Este território ficou sob a ocupação francesa quando a Ordem de São João, que administrava Malta, rendeu-se a Napoleão Bonaparte em 1798.

Malta se rendeu a Napoleão Bonaparte no final do século 18Malta se rendeu a Napoleão Bonaparte no final do século 18

O imperador russo Pável 1º, que detinha o título de grão-mestre dos Cavaleiros Hospitalários, encarou a ocupação da ilha por Napoleão como um insulto. Por isso, concordou com o pedido britânico e ordenou que as forças armadas do Império Russo se preparassem para a invasão e anexação da ilha. No entanto, o plano falhou e a coalizão foi desfeita. Pável 1º foi assassinado por membros da nobreza russa em 1801, e a Grã-Bretanha conseguiu ocupar Malta no mesmo ano sem a ajuda russa.

Oceano Pacífico

O Império Russo teve uma breve presença no Havaí. Em 1815, Kaumualii, o rei das ilhas havaianas de Kauai e Niihau, pediu à Rússia que oferecesse ajuda e proteção a seu reino na luta contra Kamehameha 1º, o rei das outras ilhas do arquipélago local.

Em trocar, Kaumualii prometeu terras à Rússia. Foi então que os russos construíram três fortes militares e iniciaram a exploração do vale de Hanalei, em Kauai.

No entanto, em 1817, sob a pressão dos norte-americanos, os colonos russos foram expulsos das ilhas. O forte Elizabeth, cujas ruínas foram declaradas Marco Histórico Nacional dos EUA em 1966, é um lembrete da presença russa no Havaí.

Alasca russo

O projeto América Russa também teve um triste fim. A partir do século 18, empresas comerciais e industrialistas russos começaram a explorar o território do Alasca.

O Império Russo dava suporte a essas empresas e indivíduos, que acabaram fundando assentamentos e postos comerciais na região.

Em 1812, o viajante russo Ivan Kuskov comprou um terreno de nativos americanos na Califórnia e estabeleceu o forte Ross.

Pintura retrata porto russo de São Paulo, na ilha de Cadiack (1814)Pintura retrata porto russo de São Paulo, na ilha de Cadiack (1814)

Anos depois, as autoridades russas decidiram que o custo de manter territórios na América do Norte excedia os lucros. Além do mais, o Estado russo decidiu que era impraticável tentar preservar tais posses.

O forte Ross foi vendido ao empresário americano John Sutter em 1841, e o Alasca foi comprado pelos Estados Unidos em 1867.

Pouco antes, a Rússia também teve a chance de ganhar uma posição no Estreito da Coreia. O principado japonês de Tsushima deu à Rússia o direito de estabelecer um assentamento e uma base naval no local, o que daria à Marinha Russa uma posição vantajosa em uma região estrategicamente importante. Porém, os planos foram por água abaixo por pressão da Grã-Bretanha e do governo central japonês.

Achém Russo

Em 1875, o famoso cientista e viajante russo Nikolai Miklukho-Maklai apelou às autoridades russas para concederem o status de protetorado para o nordeste da Nova Guiné e para as Ilhas Palau, onde havia realizado estudos e adquirido vários terrenos.

Miklukho-Maklai queria que a Rússia protegesse os papuanos da colonização europeia, e pediu – sem sucesso – que os soberanos russos Aleksandr 2º e Aleksandr 3º apoiassem essa iniciativa. A Nova Guiné oriental acabou sendo dividida entre os impérios britânico e alemão no ano de em 1885.

Vilarejo de Koiapu, na então Nova Guiné britânica (Foto: wikipedia)Vilarejo de Koiapu, na então Nova Guiné britânica (Foto: wikipedia)

O Império Russo também teve a possibilidade de ganhar um ponto de apoio na ilha indonésia de Sumatra, em 1879 e 1898. Na época, o líder de Achém, Muhammad Da’ud Syah 2º, apelou à Rússia para conceder o estatuto de protetorado ao sultanato e ajudá-lo a repelir a Companhia Holandesa das Índias Orientais.

O pedido do sultão foi rejeitado, e Achém foi conquistada pelos holandeses em 1904.

Oceano Atlântico

Em 1892, o governo da Argentina ofereceu ao Império Russo a oportunidade de comprar ou alugar a Ilha dos Estados, no arquipélago da Terra do Fogo.

O governo russo rejeitou a oferta, calculando que seria difícil fornecer a guarnição em caso de guerra com a Grã-Bretanha. Além disso, a Rússia não queria se envolver no conflito emergente entre Argentina e Grã-Bretanha acerca das Ilhas Malvinas.

Mapa da Terra do Fogo, datado de 1657Mapa da Terra do Fogo, datado de 1657

Em outra ocasião, em 1907, Henry Abra, residente de Portugal, ofereceu vender duas ilhas desabitadas no arquipélago dos Açores à Rússia. A oferta não foi aceita porque não era possível estabelecer uma base naval nem mesmo um porto nas ilhas.

África

Em 1889, um grupo russo de 150 colonos, sob a liderança do cossaco Nicholas Achinov, ocupou ilegalmente o forte Zagallo, uma instalação egípcia abandonada na costa africana do Estreito de Bab El-Mandeb.

Sob o nome de Nova Moscou, o território foi declarado por Achinov como território russo. Mas a terra pertencia ao sultanato de Tadjoura, sob o protetorado da França.

Em pouco tempo, a Marinha francesa expulsou os colonos russos do forte. Achinov foi exilado para a região russa de Saratov por três anos, como punição por suas ações.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.