Mais de 7.000 objetos históricos são achados em Moscou

Escavações arqueológicas em área do Kremlin que abrigava edifício antigo

Escavações arqueológicas em área do Kremlin que abrigava edifício antigo

Anton Novoderejkin/TASS
Artefatos foram entregues a museus e irão compor novos espaços de exposição.

Os arqueólogos que trabalham na equipe responsável pela renovação das ruas de Moscou fizeram mais de 7.000 descobertas históricas em 2016. A informação foi divulgada pela secretaria do Patrimônio Cultural da cidade.

“Em 2016, mais de 7.000 achados arqueológicos foram descobertos em Moscou, o que é um número recorde. Todos foram entregues a museus”, anunciou o chefe do departamento, Aleskêi Iemeliánov.

No ano passado, o órgão chegou a divulgar em seu site um mapa com os achados mais significativos, acompanhado por informações sobre os locais  das descobertas, bem como fotos e descrições dos tesouros encontrados.

Segundo Iemeliánov, devido ao volume de descobertas, as autoridades municipais decidiram criar um museu em uma passagem subterrânea do parque Zariadie.

Entre os objetos futuramente expostos estarão uma pedra histórica do século 16, as muralhas de Kitai-Gorod, as pontes de madeira do Zariadie (que remontam ao século 18), e os achados arqueológicos escavados durante o trabalho de pesquisa anterior à criação do parque, incluindo manuscritos dos séculos 15 ao 17.

Além disso, também foram iniciados os trabalhos para transformar uma parte da muralha da Cidade Branca, encontrada em 2007 na praça Khokhlovskaya, em um objeto de exposição.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.