Ivan Chadr, o escultor da Revolução Russa

Chadr não cobrou por esculturas de Lênin por pensar que seria um "ato infame"

Chadr não cobrou por esculturas de Lênin por pensar que seria um "ato infame"

RIA Nôvosti
Artista transformou ideologia soviética em obra de arte acessível a todos.

Ivan Chadr (1887-1941) nasceu em uma família de camponeses na pequena cidade de Chadrinsk, nos Urais (cerca de 2.000 km a leste de Moscou). Aos 20 anos, chegou andando a São Petersburgo.

De todos os seus vários talentos, o filho do carpinteiro escolheu a escultura. Passou pela Escola de Nikolai Rérikh de São Petersburgo, fez um estágio na Académie de la Grande e Chaumière de Rodin, em Paris, e em uma academia de arte em Roma, e então retornou à Rússia para se tornar uma das principais vozes da revolução.

As esculturas de Goznak

A jovem república soviética precisava retratar nas novas moedas e notas, em vez de pessoas específicas, símbolos gerais de grupos vencedores: operários, camponeses e soldados do Exército Vermelho.

Por encomenda da Goznak, a empresa estatal responsável pela produção de notas de dinheiro, Chadr criou uma série de esculturas “impessoais” em 1922. No ano seguinte, o camponês e o soldado do Exército Vermelho já circulavam nas notas soviéticas de 15.000 rublos e 25.000 rublos.

A escultura do semeador também apareceu na sequência, em títulos de empréstimo do Estado, assim como a do trabalhador, utilizada pela primeira vez nos títulos do tesouro de 5 rublos em 1925.

Semeador (1922), de Chadr (Foto: V. Nikiforov/RIA Nôvosti)Semeador (1922), de Chadr (Foto: V. Nikiforov/RIA Nôvosti)

Produção de Lênin em massa

Nos últimos dias de janeiro de 1924, o escultor passou mais de 40 horas no Salão das Colunas da Câmara dos Sindicatos. Ali estava o corpo do falecido líder da Revolução Russa, Vladímir Lênin. Durante o período, Chadr trabalhou em uma escultura em grande escala intitulada “Lênin na sepultura”.

O escultor se recusou até mesmo a receber os honorários por esse trabalho, pois considerava que, naquele momento, teria sido um “ato infame dar um preço para esse trabalho”. A escultura foi, então, doada ao Instituto Lênin.

No início dos anos 1930, vários monumentos ao líder comunista criados por Chadr foram aparecendo em cidades russas e outras repúblicas da URSS. A maior escultura a Lênin, uma figura de bronze medindo 11 metros, foi erguida sobre a usina hidrelétrica de Zemo-Avcthalskaia, perto de Tbilisi, capital da Geórgia.

Monumento a Lênin na Geórgia foi desmantelado em 1991 (Foto: Eduard Pesov/RIA Nôvosti)Monumento a Lênin na Geórgia foi desmantelado em 1991 (Foto: Eduard Pesov/RIA Nôvosti)

Nessa mesma época, o escultor participou da criação do baixo-relevo da medalha da Ordem de Lênin, uma das condecorações mais importantes da URSS.

Paralelepípedo, a arma do proletariado

A composição dramática “Paralelepípedo, a arma do proletariado” foi exibida pela primeira vez na Exposição Russa dedicada ao 10º aniversário da revolução, em 1928. O argumento de uma das obras mais importantes de Chadr eram os acontecimentos revolucionários de 1905 (uma manifestação pacífica de operários em São Petersburgo terminou em tiroteios do Exército tsarista e desencadeou uma onda de protestos em massa contra a monarquia). A escultura retrata o momento em que um trabalhador arranca um paralelepípedo da calçada para jogá-lo contra seu inimigo de classe.

Historiadores e críticos receberam esse trabalho com grande entusiasmo devido à tensão e à masculinidade que emana, e só comparável na sociedade da URSS com o David de Michelangelo ou o Discóbolo de Míron.

O Retrato de Maksim Górki, o Petrel

No retrato escultural do escritor e camarada de Lênin, autor de “A Mãe” (considerada a primeira obra do realismo socialista) e “O canto de petrel”, Chadr usou o recurso da associação. Tentou transmitir uma imagem romântica do escritor revolucionário e esculpiu em sua testa uma silhueta que lembrava o voo de um petrel, designação comum a várias espécies de aves marinhas.

Górki por Chadr (Foto: Mikhail Filimonov/RIA Nôvosti)Górki por Chadr (Foto: Mikhail Filimonov/RIA Nôvosti)

Chadr começou a trabalhar no monumento em 1939, mas não conseguiu transformar o seu modelo de argila em uma escultura de bronze.

Após sua morte, em 1941, a escultura foi concluída pela lendária escultora Vera Mukhina, autora de “Trabalhador e Mulher Kolkhoz”, do parque VDNKh, em Moscou. Até 2000, a escultura de bronze de Górki permaneceu na praça da estação moscovita de Belorussky e atualmente encontra-se no parque Muzeon.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.