12 máximas de Faina Ranevskaia que são o máximo

Ranevskaia dizia que "otimismo é falta de informação". O humor cortante foi sua marca registrada.

Ranevskaia dizia que "otimismo é falta de informação". O humor cortante foi sua marca registrada.

Iúri Somov/RIA Nôvosti
Estrela do cinema soviético dos anos 1940 tinha opiniões fortes que entraram para história. Dia 19 de julho marca aniversário de sua morte, ocorrida em 1984.

Faina Ranevskaia em papel que a imortalizou no filme “Podkidish” (em tradução livre, “Abandonado”), de 1940. / Global Look PressFaina Ranevskaia em papel que a imortalizou no filme “Podkidish” (em tradução livre, “Abandonado”), de 1940. / Global Look Press

1. É melhor ser bom falando palavrão que um canalha quieto e educado.

2. Tudo o que é prazeiroso neste mundo ou é prejudicial, ou imoral, ou engorda.

3. As mulheres são certamente mais inteligentes. Você já ouviu alguma vez falar de uma mulher que tenha perdido a cabeça porque um homem tinha pernas bonitas?

4. A vida é curta demais para desperdiçá-la com dietas, homem pão-duro e mau humor.

5. Ignore a opinião daqueles que te cercam e você terá uma vida calma e feliz.

Ranevskaia dizia que "otimismo é falta de informação". O humor cortante foi sua marca registrada / Foto: Iúri Somov/RIA NôvostiRanevskaia dizia que "otimismo é falta de informação". O humor cortante foi sua marca registrada / Foto: Iúri Somov/RIA Nôvosti

6. São as pessoas mesmas que criam seus problemas: ninguém as força a escolher trabalhos chatos, casar com as pessoas erradas e comprar sapatos que machucam.

7. Para ter sucesso na vida, a mulher deve ter duas qualidades: ser esperta o suficiente para atrair homens tontos e ser tonta o suficiente para atrair os espertos.

8. Muita gente reclama de sua aparência, mas ninguém reclama de seu cérebro.

9. A vida é um salto demorado de uma vagina para uma cova.

10. O lesbianismo, a homossexualidade, o masoquismo e o sadismo não são perversões. Só há duas perversões:o hóquei de campo e o balé no gelo.

Ranevskaia como a madrasta de “Cinderella” (1947). / Foto de arquivoRanevskaia como a madrasta de “Cinderella” (1947). / Foto de arquivo

11. Eu tive um medo terrível de gente estúpida minha vida toda. Especialmente de mulher burra. Você nunca sabe como falar com elas sem descer ao seu nível!

12. Faz um bom tempo que não me chamam de vaca. Eu devo estar perdendo minha popularidade.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.