Os 5 cineastas russos que mais faturam, segundo a ‘Forbes’

Cena de “O Procurado” (2008), de Bekmambetov, com Angelina Jolie e Morgan Freeman como protagonistas

Cena de “O Procurado” (2008), de Bekmambetov, com Angelina Jolie e Morgan Freeman como protagonistas

Kinopoisk.ru
Ranking elenca diretores do país com as maiores bilheterias desde os anos 2000.

A edição russa da revista “Forbes” compilou um ranking com os 20 diretores russos mais bem-sucedidos comercialmente. O principal critério foi a diferença positiva entre os orçamentos de filmes rodados a partir de 2000 e suas receitas de bilheteria.

“Nós não estamos avaliando o mérito artístico dos maiores blockbusters. Deixaremos isso para os profissionais na área”, explicam os autores do ranking. “Portanto, a lista não inclui alguns diretores renomados e reconhecidos pela comunidade internacional de cinema, como Andrêi Zviáguintsev, Nikita Mikhalkov, Andrêi Kontchalôvski e Aleksandr Sokurov, entre outros”, acrescentam.

1. Timur Bekmambetov (US$ 430 milhões)

(Foto: Aleksêi Danitchev/RIA Nôvosti)(Foto: Aleksêi Danitchev/RIA Nôvosti)

Bekmambetov ganhou destaque global com seus filmes sobre vampiros “Guardiões da Noite” (2004) e “Guardiões do Dia” (2006), ambos baseados em temas dos livros de ficção científica do escritor Serguêi Lukianenko.

Um de seus filmes de maior sucesso comercial foi “O Procurado” (2008), que conta com um elenco liderado por Angelina Jolie e Morgan Freeman.

Atualmente, o diretor está rodando um novo filme sobre desastre que será estrelado por Benedict Cumberbatch.

(Vídeo: YouTube/PictureBox)

2. Levan Gabriadze (US$ 79,3 milhões)

Film director Levan Gabriadze / Evgeny Biyatov/RIA NovostiFilm director Levan Gabriadze / Evgeny Biyatov/RIA Novosti

Filho do famoso diretor de cinema, dramaturgo e diretor de teatro de marionetes Rezo Gabriadze, Levan se formou em animação e computação gráfica pela Universidade da Califórnia, em Los Angeles.

Desde 2000, trabalha na produtora de Bekmambetov, a Bazelevs, e gravou uma série de comerciais para marcas famosas. Além disso, dirigiu diversos filmes da saga anual de Natal “Yelki” (sem título em português), também produzida por Bekmambetov.

(Vídeo: YouTube/Bazelevs)

3. Fiódor Bondartchuk (US$ 69 milhões)

(Foto: Evguêni Odinokov/RIA Nôvosti)(Foto: Evguêni Odinokov/RIA Nôvosti)

Os longas “9 Pelotão” (2005), sobre soldados soviéticos no Afeganistão, e “Stalingrado” (2013), que retrata uma das principais batalhas da Segunda Guerra Mundial e foi o primeiro filme IMAX da Rússia, receberam indicações para o Oscar na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.

No ano passado, a Warner Brothers Pictures convidou o diretor para comandar a nova adaptação cinematográfica de “A Odisseia”.

Seu último grande sucesso de ficção científica, “Atração” estreou este ano na Rússia e, segundo os distribuidores, já foi vendido para 43 países, incluindo o Brasil.

(Vídeo: YouTube/SonyPicturesRU)

4. Nikolai Lebedev (US$ 63,6 milhões)

(Foto: Ekaterina Tchesnokova/RIA Nôvosti)(Foto: Ekaterina Tchesnokova/RIA Nôvosti)

Lebedev conquistou fama internacional por conta de seu filme “A Estrela” (2002), sobre a Segunda Guerra Mundial.

Entre outros destaques, o cineasta também dirigiu “Legend No. 17”, que retrata o jogador de hóquei soviético Valéri Kharlamov. Aliás, este foi o longa mais popular na Rússia nos últimos 15 anos, segundo o portal de cinema russo Kinopoisk.

Em 2016, Lebedev lançou “Voo de Emergência” (o segundo filme IMAX da Rússia), cujos direitos para distribuição foram adquiridos pela Paramount.

(Vídeo: YouTube/Mirta Katolina)

5. Dmítri Diatchenko (US$ 45,8 milhões)

(Foto: Evguênia Novojenina/RIA Nôvosti)(Foto: Evguênia Novojenina/RIA Nôvosti)

Diatchenko é famoso pelos filmes “Radio Day”(2008) e “What Men Talk About” (2010). Antes de se tornar diretor, o cineasta teve várias outras profissões, incluindo a de vendedor.

Atualmente, Diatchenko dedica-se a comerciais e séries de TV.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.