Rio ganha primeira mostra de animação russa

Prostováchino, desenho de Popov, está entre destaques da programação.

Prostováchino, desenho de Popov, está entre destaques da programação.

kinopoisk.ru
Programação conta com 45 desenhos de 20 animadores destinados ao público infantil e adulto.

A Caixa Cultural Rio de Janeiro apresenta, de 17 a 29 de maio de 2016, a Mostra de Animação Russa, com a exibição de 45 desenhos de 20 animadores, realizados entre os anos de 1950 e 2014.

Além das sessões de filmes, serão realizadas mesas-redondas com a participação da animadora Svetlana Filíppova e do especialista em animação russa Serguêi Kapkov, que ministrarão palestras sobre aspectos da animação cinematográfica russa e soviética, seus significados e as suas perspectivas para a sociedade e para o cinema.

Os debates acontecem no domingo (22), na terça-feira (24), e na sexta-feira (27), sempre às 17h, com entrada gratuita e distribuição de senhas, 1 hora antes, na bilheteria.  

Haverá o lançamento do livro Tarakã (Baratão), do escritor russo Kornei Tchukóvski, traduzido, pela primeira vez, para o português.

A programação da mostra reúne animações que mostram o lado humanista da antiga União Soviética, revelando outra face do extinto país.

Entre os destaques da programação estão o título "O Velho e o Mar" (1999), de Aleksander Petrov, premiado com o Oscar.

Outro destaque vai para "O Conto dos Contos", obra maior de Iúri Norstein considerada pela Academia Americana de Cinema como o melhor desenho animado de todos os tempos.

Por seu estilo poético e único, Norstein ocupa um lugar singular na animação russa com obras destinadas às crianças e aos adultos.

Inédito

O público também poderá assistir, pela primeira vez no Brasil, à obra do escritor e poeta infantil Kornei Tchukóvski, considerado o mais importante autor infantil da Rússia.

Além do cinema clássico, a União Soviética foi uma das maiores produtoras de animações, tradição que ainda perdura na Rússia contemporânea.

Por isso, outro destaque do evento é a obra da animadora Svetlana Filíppova, discípula de Iúri Norstein que trará para Brasil quatro.

“A mostra é composta, ainda, por outros nomes importantes do cinema de animação soviético e russo e apresenta no Brasil uma produção única que, apesar de ter recebido importantes prêmios na Europa e nos Estados Unidos, ainda não é conhecida no país. 80% dos filmes são da época da antiga União Soviética e o restante da produção de animação contemporânea. Queremos, portanto, levar ao público um importante capítulo da história do cinema de animação universal”, afirma a curadora da mostra, Maria Vragova.

Para maiores informações, consulte nosso calendário cultural.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.