Cinco games russos que não ultrapassaram a fronteira

RPG do mal e corrida psicodélica são alguns dos clássicos nunca exportados. Embora muitos desenvolvedores russos acabem trabalhando no exterior, a indústria de games na Rússia vai muito além de Tetris, como mostram os exemplos a seguir.

Até mesmo os ‘gamers’ russos têm uma atitude um tanto cética em relação aos joguinhos produzidos no país. Como o próprio desenvolvedor Dmítri Nojnin ressaltou em um artigo de 2013, as lojas mais duvidosas costumavam vender alguns jogos russos embalados em caixas com a versão em inglês, uma vez que os títulos em língua russa geralmente derrubavam as vendas. Faz sentido?

Faz! Em geral, a qualidade da maioria dos lançamentos russos é, de fato, bastante pobre. E, segundo o crítico Ígor Liubavin, a razão é simples: falta de financiamento.

“Os videogames se tornaram há muito tempo uma forma de arte no Ocidente, mas aqui continuam sendo subjugados como algo ‘exclusivamente para crianças’”, diz.

Ainda assim, entre os raros jogos russos que conseguiram alçar voo internacional tendem a se tornar clássicos queridos dentro do país. Um deles é o War Thunder, um game on-line de múltiplos jogadores no qual batalhas são travadas entre aviões e veículos da época da Segunda Guerra Mundial.

Por ser fácil de jogar, e incrivelmente detalhado, War Thunder atraiu inúmeros seguidores e registrou mais de 7,2 milhões de horas jogadas em todo o mundo desde o seu lançamento. Mas nem todos os jogos russos tiveram sorte.

1. Blitzkrieg

Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação

A Segunda Guerra Mundial tem um lugar muito especial no coração dos russos, e os anos 1940 são um cenário comum na ficção nacional, incluindo em videogames. Se já tiver se enchido de War Thunder, tente Blitzkrieg.

Neste jogo de estratégia, tudo gira em torno de táticas – nem sequer se constrói bases. Defenda suas tropas enquanto estiverem em movimento, assalte cidades, ultrapasse as armadilhas de inimigos, e encha o tanque de seus veículos rumo à linha de frente.

2. Verão eterno (Everlasting Summer)

Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação

Neste romance visual é contada a história de um jovem recluso que adormece em um ônibus na Rússia moderna e acorda em um acampamento de verão na época soviética. Para quem gosta de histórias de amor, escapismo, ou anime, este jogo é prato cheio.

O jogo já está disponível desde 2014 no Steam, onde detém 94% de aprovação.

3. Patológico (Pathologic)

Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação

Este é um exemplo perfeito de financiamento insuficiente: além de dar vários bugs, os gráficos são ultrapassados, e a interface, nada intuitiva. Ainda assim, o RPG de sobrevivência Patológico foi nomeado o Jogo do Ano em 2005 tanto pela “LKI”, uma influente revista de games, e pelo portal russo de resenhas ag.ru.

Místico, sombrio e ambientado em uma cidade moribunda com uma pandemia estranha, o game foi bastante saudado como obra-prima pela crítica e pelo público naquela época. Para quem ainda não experimentou, vale a pena esperar até novembro deste ano: o desenvolvedor do jogo, Ice-Pick Lodge, prometeu lançar um remake completo, fixando todas as ‘pragas’ que atrapalhavam a versão anterior.

4. Vangers

Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação

Este game é “como fazer um teste de direção depois de tomar um ácido”, descreveu, certa vez, um crítico, cujas palavras são frequentemente lembradas. A descrição tenta ser compatível ao mundo surrealista de Vangers, onde insetos humanoides meio malucos emergem de caldo fervente em planetas esquecidos.

Abençoado com uma jogabilidade incomum para os padrões russos, esse jogo de 1998 combina elementos de RPG e combate pós-apocalíptico. Ah, e já abusava de gráficos voxel (volumetric pixel, ou grosseiramente falando, um pixel tridimensional) 13 anos antes de Minecraft. Um nova versão foi disponibilizada no Steam em 2014.

5) Space Rangers 2: Dominadores

Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação

Segundo Liubavin, quando Space Rangers foi lançado, em 2004, representou uma mistura de gêneros opostos. “Algo excepcional. Não havia nada assim então”, diz.

No espaço do século 33, para manter-se vivo é preciso ser capaz não só de pressionar rapidamente os botões no combate como um fliperama, mas também pensar cinco vezes à frente baseando-se em táticas rotativas.

O jogo também tem todos os elementos para ser chamado de RPG: drama, estágios, trabalho intenso, dilemas éticos, e assim por diante.

Entre os elementos que fazem do Rangers famoso na Rússia é o clima bem-humorado no jogo independente do que se fizer –  seja vender cerveja em rodovias intergalácticas, conquistar novos sistemas estelares, ou resolver enigmas sobre a alimentação de criaturas alienígenas bizarras.

Atenção: quem procura heroísmo espacial e grandeza irá se decepcionar.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.