Tradições da Páscoa Ortodoxa

Cerimônia especial de celebração de Páscoa Foto: RIA Nóvosti

Cerimônia especial de celebração de Páscoa Foto: RIA Nóvosti

RIA Nóvosti
Festividades começam com uma solene missa noturna, que é seguida de uma procissão.

Neste domingo (16), os cristãos ortodoxos celebram a Páscoa. Todos os anos, as festividades começam com uma solene missa noturna, seguida de procissão.

Depois da missa, a tradição é quebrar o jejum, organizar um almoço festivo, marcar o fim da Quaresma e o advento do dia mais radiante do ano.

Deve-se lembrar que o jejum, principalmente o rigoroso, é muito estressante para o organismo e, portanto, deve-se sair dele de maneira gradual.

Os médicos não recomendam comer carnes gordas de imediato, nem qualquer combinação de carne e pão.

No primeiro dia, o melhor é ingerir um pouco de cozido de carne com legumes, salada ou ervas e depois, gradualmente, introduzir na dieta produtos lácteos.

Foto: Lori Legion MediaNeste ano, feriado é celebrado no dia 16 de abril. Foto: Lori Legion Media

Os pratos tradicionais da Páscoa dos ortodoxos são os ovos pintados, a kulitch, um tipo de panetone pascal, e a paskha, doce feito de ricota e passas. Costuma-se benzê-los durante a missa na igreja.

Apesar de a religião ter sido proibida na União Soviética, também naquela época os ovos eram pintados em quase todos os lares.

Mesmo sem dispensar um significado especialmente religioso, o procedimento não deixava de ser uma celebração da Páscoa.

"Nossa brincadeira favorita na época, por isso  não víamos a hora de a Páscoa chegar. Nela, as pessoas formavam duplas, cada uma com um ovo pintado, e batiam uns contra os outros. A pessoa cujo ovo permanecesse intacto, ganhava os rachados. Assim, andando de casa em casa pela vila, era possível ganhar muitos ovos. Não era preciso comer todo o seu ‘prêmio’, a gente distribuía o que restava depois de se satisfazer”, conta a aposentada Natália.

Outras tradições

A tradição da ida ao cemitério no domingo de Páscoa para homenagear parentes falecidos e cuidar dos túmulos também está relacionada auma proibição oficial dos feriados religiosos.

"A tradição de visitar cemitérios na data, deixando ovos de Páscoa e panetone, é paganismo, revivido durante a União Soviética. Quando a verdadeira fé sofre perseguição, sempre surgem superstições. Na Páscoa, deve-se ir à igreja”, diz o padre Aleksandre.

"Costumo comemorar a data com minha família, na casa dos meus sogros. Para eles, não se trata tanto de um feriado religioso, mas de uma festa em família. É uma ocasião para reunir todos os filhos e netos”, diz o programador Serguêi.

Celebração religiosa e familiar para alguns, a Páscoa também é um motivo de diversão para outros.

"Quando muito jovem, todo ano participava da procissão com meus amigos. Para nós, o que interessava não era tanto a própria missa, mas a grande concentração de pessoas. E havia uma boa desculpa para beber – afinal, era Páscoa! Por fim, voltávamos para casa de manhã, mal conseguindo parar em pé. Hoje, não faço mais isso: minha saúde já não é a mesma e não acho essa uma atitude de gente séria”,  diz o segurança Serguêi.

A semana da Páscoa tem mais uma particularidade: é a única época do ano quando qualquer um que desejar pode tocar os sinos das igrejas. Para tanto, basta pedir a bênção ao padre.

Como regra, os sacerdotes não negam o pedido a ninguém. Durante toda a semana, após as missas, é possível ouvir um demorado e dissonante ressoar de sinos das igrejas –são os alegres paroquianos, principalmente as crianças, que se regozijam com a ressurreição de Cristo . 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.