Os desafios de aprender russo como língua estrangeira

Dedicação e língua nativa influenciam na velocidade de aprendizado do russo

Dedicação e língua nativa influenciam na velocidade de aprendizado do russo

ITAR-TASS
Em entrevista, profissional do Instituto Púchkin fala sobre dificuldades de alunos sem experiência prévia com idioma e tempo necessária para se ler um original de Tolstói.

O ensino de russo como língua estrangeira é um dos assuntos mais populares entre os estudantes estrangeiros que vão estudar na Rússia e está presente no currículo de praticamente qualquer grande universidade que tenha um departamento filológico.

Ao completar este programa, o aluno não só se torna proficiente em russo, mas também está qualificado para ensiná-lo como idioma estrangeiro.

Em entrevista à Gazeta Russa, Maria Lebedeva, do Instituto Púchkin de Língua Russa, comenta sobre as armadilhas comuns a estrangeiros e o que os futuros professores da língua devem saber.

O que os estudantes costumam achar difícil ao aprender russo?

Maria Lebedeva: Quando falamos da língua em si, os alunos que antes de chegar à Rússia nunca aprenderam qualquer coisa do idioma enfrentam três desafios: fonética, vocabulário e gramática.

Por exemplo, o som russo [ы] não apresenta nenhuma dificuldade para os falantes nativos, mas é um pesadelo para a maioria dos estrangeiros. A variação de som das consoantes também é um campo minado, porque em russo são usadas para diferenciar palavras. No vocabulário, o desafio é não só aprender novas palavras, mas também para compreender suas colocações.

Quanto à gramática, acho que as áreas mais difíceis são verbos de movimento e tempos verbais.

Qual método seria mais indicado para iniciantes?

ML: Além dos cursos de gramática tradicionais e prática da língua, diversas universidades oferecem programas menos convencionais. Por exemplo, um clube de filmes em língua russa, aulas de dança russas, estúdios de teatro e aulas de conversação. Há também programas inteiramente em russo dedicados ao mundo dos negócios, turismo, diplomacia e medicina.

Quanto tempo geralmente se leva para concluir um curso de russo?

ML: Acredita-se que, para atingir o nível B1 (intermediário), são necessárias 460 horas acadêmicas, isto é, de seis a sete meses de estudos intensivos (seis horas por dia, quatro vezes por semana). Dito isto, é óbvio que o número de horas pode variar dependendo das condições, da programação, da língua nativa e da capacidade do aluno.

Se a ideia for alcançar o nível C2, isto é, quase nativo, fica ainda mais difícil de calcular o número exato de horas acadêmicas necessárias.

Em que nível um estudante já consegue ler Tolstói, por exemplo, em russo?

ML: Depende da obra. “Depois da dança” e “Guerra e Paz”, digamos, são duas coisas distintas. No nível C1-C2, ler os romances mais conhecidos é difícil, mas já possível. Ainda assim, eles precisam ser lidos com a ajuda de um dicionário e comentários à parte. Aliás, isso é recomendável até para muitos falantes nativos, já que não sabemos mais o que muitas palavras obsoletas querem dizer.

Quais são os melhores lugares para aprender russo no país?

ML: Pela minha experiência e na opinião de conhecidos, os melhores lugares são a Universidade Estatal de Moscou, a Universidade Russa da Amizade dos Povos, Universidade Estatal de São Petersburgo e o Instituto Púchkin.

Para quem não tem a oportunidade de estudar na Rússia, vale a pena fazer um curso no exterior?

ML: Tem se dado muita atenção ao apoio profissional de professores de russo como língua estrangeira no exterior, com a reestruturação e inauguração de novas escolas e centros. Acho que, em um futuro próximo, veremos o idioma russo reforçando sua posição no exterior, e os professores estarão cada vez mais focados em seu crescimento profissional e no desenvolvimento de laços com os principais centros de ensino na Rússia.

Gostaria de receber as principais notícias sobre a Rússia no seu e-mail? 
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.