Especialistas comentam censura no cinema soviético

Cena do filme "A Infância de Ivan" Foto: kinopoisk.ru

Cena do filme "A Infância de Ivan" Foto: kinopoisk.ru

À luz das recentes mudanças das regras para a exibição de filmes na Rússia, vista como censura por especialistas, a Gazeta Russa ouviu críticos e diretores sobre a época de domínio da censura na União Soviética.

Ao longo dos anos que exerceu sua profissão na União Soviética, Andrêi Tarkóvski, renomado diretor russo, conseguiu apresentar ao público apenas cinco filmes, enquanto nos outros 16 anos da sua carreira permaneceu sem produzir um projeto sequer.  Apesar de conquistar um Leão de Ouro no Festival Internacional de Cinema de Veneza, "A Infância de Ivan", primeira obra de Tarkóvski, foi posicionada pelos dirigentes soviéticos como um filme infantil e exibido apenas nas sessões matinais, um claro sinal de desprezo.

O motivo foi a imagem pacífica da União Soviética repassada pelo filme ao público nos países ocidentais que não agradou as autoridades focadas nas políticas exteriores justamente contrárias devido à aproximação da crise dos mísseis em Cuba e à Guerra Fria em pleno andamento.

Todos os títulos posteriores lançados por Tarkóvski ao mesmo tempo conquistavam  grandes elogios no exterior e foram censurados no próprio país. "Andrêi Rublióv", por exemplo, chamou a atenção das autoridades pelo suposto excesso de símbolos religiosos e não foi apenas reduzido em 25 minutos, mas levou à proibição de gravação de novos filmes aplicada ao diretor no período dos seis anos seguintes.

A linguagem cinematográfica complexa usada pelo mestre nas suas próximas obras, "O Stalker" e "O Espelho", limitou a sua exibição nas salas de cinema e ganhou da mídia apenas comentários negativos. De todos os filmes apresentados pelo diretor, apenas "Solaris" teve um sucesso razoável e conquistou os corações da população soviética, apesar da introdução de mais de quarenta correções em suas cenas: os dirigentes não ficaram satisfeitos com o rumo filosófico da obra.

Proibição gradual

Andrêi Smirnov, criador de "Estação Bielorrússia", famoso filme soviético que relata as histórias dos veteranos da Segunda Guerra Mundial, recorda:

"Não haviam regras oficiais, pois o destino de qualquer obra  dependia de um funcionário público encarregado da sua aprovação. Ao mesmo tempo, o Goskino, órgão responsável pelo recebimento das películas prontas, era a última barreira entre as obras cinematográficas e o seu público, pois a máquina de censura começava a funcionar desde o primeiro dia de gravações. O roteiro era lido e analisado pelos revisores do órgão, em seguida, repassado para a aprovação do conselho artístico, equipe cinematográfica, roteiristas e diretores. O processo de aprovação contava também com a colaboração do Comitê Local do Partido Comunista. Além disso, as gravações eram sempre supervisionadas pelas autoridades.”


"Estação Bielorrússia" Foto: kinopoisk.ru

O especialista cinematográfico Víktor Matizen apresenta uma opinião diferente em relação ao assunto:

"Apesar de falta das instruções claras, sempre foi possível identificar os motivos de rejeição do filme por parte das autoridades. Por exemplo, a traição conjugal cometida pela protagonista que, conforme regras informais, deveria representar toda a população soviética do sexo feminino, já poderia enterrar o filme em questão. O prêmio recebido pela obra de Mikhail Kalatozov ‘Quando Voam As Cegonhas’ no Festival Internacional  de Cinema de Cannes não chegou ao conhecimento do público soviético devido ao desgosto do então líder Nikita Khruschov, provocado pela atitude da protagonista que caiu nos braços do outro quando o seu amado partiu para a guerra.  Um texto curto comunicando a conquista foi publicado num dos principais jornais nacionais sem ser acompanhado por nenhuma imagem e sem indicar o nome do diretor vitorioso.”

Cemitério de filmes

"Podemos afirmar que o cinema soviético foi submetido a constantes cortes, tanto pequenos, quanto significantes", afirma Valéri Fomin, especialista cinematográfico.

"A censura deixou uma quantidade enorme de projetos não lançados. Em certos casos, os dirigentes preferiam aplicar as punições em vez de simples cortes ou interdições, criando uma das mais terríveis formas de morte artística", acrescenta.

Por exemplo, o não cumprimento das expectativas das autoridades em relação ao ângulo de narração da história no projeto do filme dedicado a um dos então heróis mirins, Pavlik Morozov, que denunciou o próprio pai, opositor ao Estado soviético, levou ao cancelamento das gravações, perda de todo o material produzido e à perseguição do próprio diretor apolítico que por pouco não cometeu suicídio.

Nova cara da censura

"Ao longo dos últimos anos, a censura existiu, porém sob o nome do órgão de emissão de licenças de exibição", explica Matizen.

Desde 1º de julho deste ano, as regras de aquisição do documento ficaram mais rígidas, garantindo às autoridades o poder  de escolher os filmes para a apresentação nas salas de cinema.

Além disso, o governo russo pretende multar os produtores de conteúdo de áudio e vídeo com linguagem obscena. A obra de Andrêi Zviágintsev "O Leviatã", que será  lançada em novembro deste ano na Rússia, já foi submetida a cortes e dublagem de acordo com a nova lei.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.