Como se vestia Stálin

Stálin preferia o quepe militar com viseira, com dois lados retos, do que qualquer outro chapéu Foto: RIA Nóvosti

Stálin preferia o quepe militar com viseira, com dois lados retos, do que qualquer outro chapéu Foto: RIA Nóvosti

Stálin vestia jaqueta (o “french”, casaco que foi usado pelos oficiais franceses e britânicos e que recebeu seu nome de John Denton French) paramilitar com botas e, mais tarde, começou a usar uniforme –assim se formava a imagem do líder soviético mais famoso.

A imagem de Lênin, o líder da Revolução Bolchevique, reunia a grande estatura, a cabeça calva, a dificuldade de dicção (ele gaguejava), o legendário boné, os passos rápidos e as emoções à flor da pele. Nos monumentos que estavam até recentemente no centro de cada cidade do vasto país, ele era retratado em movimento com o seu chapéu favorito, não na cabeça, mas em sua mão. 

Já a imagem de Stálin, que sucedeu Lênin no papel do líder nacional, era completamente diferente. Encontrar a estabilidade depois do caos da guerra civil foi vital para o país, portanto o líder deveria ser uma pessoa forte, segura, confiável, com um poder invencível.

A aparência de caucasiano e a lentidão por natureza ajudavam a Stálin. Nicolai Baibakov, ministro da indústria de petróleo da URSS, lembrava:

Foto: RIA Nóvosti

"Entrou e ficou parado, olhei e era Stálin, Alto Comandante, virado de costas para mim. Aproximei-me dele, decidi não tossir. Olhei para ele, que estava vestido com  uma jaqueta cinza e botas macias, de maneira bem modesta para o líder do Estado."

As roupas do partido

Desde a revolução até a metade da Segunda Guerra Mundial, suas vestimentas eram, de preferência, a túnica-casaco fechada, austera, feita de tecido de alta qualidade e calças enfiadas em botas. Sua roupa preferida de cima era o abrigo simples de soldado, que ele usava durante vários anos até que ficasse velho. Artem Sergeev, o filho de um grande amigo e aliado de Stálin,  disse a Catherine Glushik em "Conversas Sobre Stálin" (publicada no jornal "Zavtra”, em 2006):

"Uma vez Stálin voltou para casa e viu um abrigo novo. Perguntou onde estava o antigo. Responderam que já não estava mais lá. Ele se irritou: ‘Com dinheiro público pode-se trocar de abrigo a cada semana, mas o antigo eu poderia usar por mais um ano. Vocês poderiam me perguntar se eu precisava de um novo ou não.’"

No Partido Comunista, havia um uniforme: uma jaqueta ou túnica (comprida, feita de tecido grosso, usada com cinto). Os membros do partido eram conhecidos como  "Soldados da Revolução". Se vestiam de roupas paramilitares e não só porque isso foi exigido pela ideologia. A maioria deles antes de tomar um posto no governo, lutara na Primeira Guerra Mundial, depois organizara a revolução e em seguida, comandara o Exército Vermelho e organizara trabalhos políticos durante a Guerra Civil. Assim, a  túnica era mais próxima deles, mais compreensível do que qualquer outro uniforme social.

Foto: RIA Nóvosti

Mas em 1938, os ternos dos líderes do país, inclusive alguns uniformes de Stálin, passaram a ser costurados na Fábrica Central Militar, que produziu amostras de novos uniformes para os generais do Exército Vermelho e opera até hoje sob o nome de 43ª Fábrica Central Experimental de Costura. Stálin pessoalmente aprovava todos os novos modelos, até os botões.

Nascimento do estilo imperial

Em casa, Stálin também preferia a simplicidade. Artem Sergeev lembra: "Em casa, ele usava calças de lona, casaquinho de linho. Às vezes ficava só de camisa de algodão, parecida com uma para soldados. Nunca o vi em terno social. Durante as férias, ele usava terno de linho."

Stálin preferia o quepe militar com viseira, com dois lados retos, do que qualquer outro chapéu. Cada um desses chapéus era feito à mão, depois do anterior ter ficado velho. Se na hora de experimentar Stálin achasse alguns defeitos, simplesmente continuava a vestir o exemplar antigo.

Quando a Stálin foram atribuídos os títulos de Marechal da União Soviética e Generalíssimo, a criatividade dos designers enfrentou o gosto austero do líder. A versão inicial do casaco, com estilo naval de cor clara, decorado com costura de ouro e inspirado no uniforme de oficial do início do século 19, foi rejeitado na fase de demonstração e foi enviado para o museu, onde permanece até hoje.

Para Stálin, foi costurado o uniforme-casaco pesado de cor cinza clara com gola declinada (a gola anterior, alta, lhe pareceu desconfortável) com quatro bolsos clássicos e dragonas de marechal. Junto com o casaco havia calças com listras de dois lados, tipo de roupa que impressionava mais e era mais sólido. Assim surgiu sua atração pelo estilo imperial, que era ao mesmo tempo cativante, severo e solene.

Na Rússia, a jaqueta (“french”) apareceu durante a Primeira Guerra Mundial. Muitos oficiais, ao ver  os modelos de roupa de oficiais britânicos e franceses, começaram a usar casacos parecidos. No exército britânico havia dois tipos de jaquetas: uma mais pesada e aberta, usada por cima da camisa com gravata, e o exemplar para soldados que era mais confortável, com um decote alto, sem gravata. Os comandantes do exército vermelho tinham suas preferências justamente por esse tipo de roupa.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.