Os escritores russos e a guerra

Lev Tolstói (esq.) e Maksim Górki (dir.) Foto: Press Photo

Lev Tolstói (esq.) e Maksim Górki (dir.) Foto: Press Photo

O atual conflito na Ucrânia levanta questões éticas bem dolorosas e faz com que raciocinemos sobre as causas, o sentido e a possibilidade de uso de força militar. A Gazeta Russa buscou cinco opiniões de clássicos da literatura russa sobre a guerra.

Expressas em alturas diferentes e em situações distintas, as visões de grandes escritores russos sobre a guerra não deixam de ser atuais. Toda essa diversidade de opiniões hoje em dia está sendo debatida pela mídia e nas redes sociais devido à crise ucraniana.

Lev Tolstói:

“Quando ouço dizer que em qualquer uma das guerras rebentadas a culpa é exclusivamente de uma das partes, nunca posso aceitá-lo. É possível reconhecermos que uma parte aja pior do que outra, mas uma discussão sobre qual delas age pior nunca será capaz de esclarecer nem a razão mais superficial de estar acontecendo algo tão horroroso, cruel e desumano como a guerra. As respectivas causas, três no total, são evidentes para qualquer pessoa que mantenha os olhos bem abertos: a 1ª  é a distribuição desigual de bens, quando alguns indivíduos roubam os outros; a 2ª  é a existência de militares que são educados e predestinados para matar; a 3ª  é a doutrina religiosa, falsa e, na maior parte das vezes, conscientemente enganosa, que está sendo impingida às novas gerações.”

(De uma carta para G. Volkonski, datada de 4 de dezembro de 1899) 

Tolstói foi um dos maiores pacifistas na história russa. Foi a participação na guerra que o mudou. Ele esteve na defesa de Sebastopol, durante a guerra da Crimeia de 1853 e 1856, bem como na campanha militar de subjugação dos povos do Cáucaso. Graças a sua experiência pessoal, chegou à negação absoluta de qualquer assassinato e, como consequência, até da Igreja e do Estado, além de muitos dos institutos sociais existentes naquela altura.

Fiódor Dostoiévski:

“Em certos casos, se não em quase todos, excluindo, talvez, apenas as guerras civis, qualquer guerra é um processo através do qual (precisamente com o mínimo derramamento de sangue, a mínima mágoa e os mínimos esforços) se consegue a paz internacional e são elaborados relacionamentos mais ou menos normais entre as nações. (…) O que mais está enfurecendo e exasperando o homem é a paz, sobretudo quando é prolongada, e não a guerra. (…) Uma guerra provocada por uma causa benévola, pela libertação dos oprimidos, por uma ideia desinteressada ou santa – uma guerra destas apenas está limpando o ar social, poluído pelos miasmas acumulados, e cura as almas, acabando com as vergonhosas covardias e preguiças, dá e esclarece uma ideia, à realização da qual é destinada uma ou outra nação. Uma guerra destas está fortalecendo todas as almas com o espírito de autossacrifício, além de o ânimo de toda a nação ser fortificado através da consciência solidária e a união de todos os cidadãos integrados numa nação.”

(“Diário de um Escritor”, 1876 – Abril, capítulo 1.º, p. III: O Sangue Derramado Salva?) 

Em 1877, a Rússia declarou guerra à Turquia. Além das razões políticas, essa guerra tinha uma ideia profunda: na Rússia, foi e é vista como uma ajuda fraternal aos povos búlgaro e sérvio, subjugados pelos turcos. No ano anterior à guerra e no primeiro ano da mesma, Dostoiévski publicou artigos de uma coletânea intitulada “Diário de um Escritor”, em que refletiu muito sobre a guerra, bem como sobre a política europeia em geral.

Estas obras de Dostoiévski como publicista, de um século e meio atrás, têm semelhanças impressionantes com as análises políticas que hoje em dia se encontram na internet: o mesmo ardor, rispidez na apreciação, inclinação para previsões e prognósticos. Ainda antes do início das ações bélicas, Dostoiévski falou sobre a possibilidade de uma guerra surgir sem declaração oficial, com participação de formações voluntárias, o que nos lembra a situação atual no sudeste da Ucrânia.

Aleksandr Blok:

“Não tenho medo de balas. No entanto, a guerra e tudo relacionado com ela é uma brutalidade. Foi o que me tentava apanhar desde o liceu, se manifestando de formas variadas, e, enfim, me apertou a garganta. Ninguém devia sentir o cheiro de um capote de soldado.”  

(O diário, 28 de junho de 1916) 

Na fase inicial da Primeira Guerra Mundial, os russos a encaravam com o entusiasmo, os literatos requintados se alistavam no Exército ou estavam escrevendo poemas cheios de patriotismo mais sincero. Aleksandr Blok, representante mais notável do “Século de Prata” da poesia russa, tinha uma posição à parte, sentindo uma repugnância à guerra, por perceber que ela sempre levava a uma explosão social. Após a revolução de 1917, o poeta faz tentativas amarguradas de se adaptar à nova realidade “brutal”, procurando nela uma fonte saudável e purificante. Os tais esforços o levaram ao extremo desespero e à morte prematura.

Boris Paternak:

“Deveríamos enaltecer e espiritualizar nossa atualidade, para darmos mais valor a todos dias que vivemos, para evitarmos desperdiçá-los ou perdê-los em vão, para a vida se tornar tão atraente, espiritual e cheia de inspirada beleza que não reste nenhuma vontade devastadora de assassínio ou suicídio. Não sei nem posso imaginar outro meio de resistirmos à guerra.”

(Cartas, 10º volume)

Durante a época do poder soviético, a propaganda usava o slogan oficioso de “luta pela paz”. Os escritores destacados participavam frequentemente das iniciativas organizadas sob este lema. Um escritor podia exprimir seus pensamentos sobre a guerra, sem ênfase demonstrativa ou floreados ideológicos obrigatórios, apenas mediante o diário ou a correspondência particular.

Na citação acima ouvimos entonações tolstoianas, e não é por acaso. Seu romance “Doutor Jivago”, que contribuiu para Boris Pasternak ganhar Prêmio Nobel de Literatura, às vezes faz eco a “Guerra e Paz” de Tolstói. Numa outra carta, encontramos a opinião oposta de Pasternak:

“A guerra exerceu uma ação infinitamente libertadora sobre meu estado geral, saúde, capacidade de trabalho e percepção de destino”. Em prol da verdade se diga que Pasternak não participou nem da Primeira, nem da Segunda Guerra. A sua maneira de encarar a luta armada foi inspirada pelas emoções e pelo temperamento poético, em vez da experiência própria.  

Aleksandr Soljenítsin:

“Nenhuma guerra é solução. A guerra é a morte. O horror da guerra consiste não no avanço das tropas, nem nos incêndios, nem nos bombardeios. Antes de mais, a guerra é horrorosa porque entrega tudo que há de raciocinativo ao poder legal da inépcia (…) Aliás, sem guerra também lá estamos nós.”

(Romance “O Primeiro Círculo”, 1958)

Soljenítsin, ex-oficial do Exército, mandado para a prisão da linha de frente da batalha, sendo depois colocado num campo de concentração estalinista, profere a sentença bem clara contra a guerra em que participa o Estado totalitário, apesar de se tratar de uma resistência e contraposição ao agressor: “Qualquer situação bélica serve apenas para justificar uma tirania interna, fortalecendo-a.”

 

Mikhail Butov é escritor,  laureado com o Prêmio Booker Russo

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.