As origens de sete gestos folclóricos russos

Gazeta Russa decifrou a língua gestual popular russa Foto: RIA Nóvosti

Gazeta Russa decifrou a língua gestual popular russa Foto: RIA Nóvosti

Por que rasgamos a camisa no peito, jogamos o chapéu no chão e fazemos figa? Fomos atrás das respostas e deciframos a língua gestual popular russa.

Jogar o chapéu no chão e bater no próprio peito podem ser gestos comuns na Rússia, mas suas origens têm histórias que muitos nem imaginariam. Conheça as origens de sete destes gestos folclóricos do país.

Coçar a nuca


Ilustração: Dmítri Dívin

O russo coça a nuca quando está intrigado com alguma coisa. A questão é por quê? É improvável que seja para estimular a circulação sanguínea do cérebro. Uma versão afirma que esse gesto veio da magia popular: era assim que os nossos antepassados evocavam o “praschur” (ancestral), uma espécie de gênio do clã.

Rasgar a camisa no peito


Ilustração: Dmítri Dívin

Era originalmente um juramento improvisado. Existe a hipótese de que com esse gesto tão expressivo os nossos antepassados demonstravam o seu pertencimento à fé ortodoxa, exibindo a cruz pendurada junto ao peito. Sabe-se que por ocasião das execuções e punições corporais os carrascos rasgavam a parte superior da camisa da pessoa que estava sendo punida. Assim, o ato voluntário de rasgar a roupa na qualidade de argumento convincente tinha a intenção de mostrar a disposição da pessoa de subir no patíbulo em nome da verdade. 

Jogar o chapéu no chão


Ilustração: Dmítri Dívin

Gesto expressivo que articulava uma decisão arrojada. Para os homens russos o chapéu (assim como a barba) simbolizava a dignidade e a integração na sociedade. Tirar o chapéu de alguém em público era considerado uma grande desonra, uma espécie de punição civil. Geralmente, submetiam os devedores a esse procedimento. E a ação voluntária de jogar o chapéu no chão demonstrava a disposição da pessoa de correr o risco mais insano, cujo preço, em caso de fracasso, poderia ser o banimento da pessoa da sociedade.

Bater no próprio peito


Ilustração: Dmítri Dívin

De acordo com uma das versões, esse gesto veio das tradições militares de nômades e foi trazido para a Rússia Antiga pelos tártaro-mongóis. Era assim que eles faziam o juramento ao seu suserano. As batidas com o punho fechado no peito deveriam demonstrar lealdade.

"A Cabra"


Ilustração: Dmítri Dívin

Esse gesto é erroneamente associado à "raspaltsovka", um gesto utilizado pelas pessoas ligadas ao mundo do crime ou aos fãs do heavy metal. Na verdade, há vários milênios o gesto chamado de “cabra” está relacionado com proteção contra magia negra e contra os espíritos malignos. Provavelmente a geração mais velha ainda se lembra da parlenda "Lá vem a cabra com seus chifrinhos atrás das crianças pequenininhas...”: enquanto fala, o adulto mostra para a criança como a cabra dá chifradas.

Isso não é apenas um jogo, era assim que os nossos antepassados tiravam o mau olhado das crianças. O curioso é que em alguns ícones da Igreja Ortodoxa o Cristo Salvador e os santos podem ser vistos com o dedo mínimo e o dedo indicador deslocados para frente.

A figa


Ilustração: Dmítri Dívin

De modo geral, esse gesto é característico de muitas culturas. Ele foi utilizado como um recurso protetor contra as forças do mal. Na Rússia, provavelmente, ficaram conhecendo a “figa” (em russo “kukich”) através dos visitantes alemães que tentavam seduzir as senhoritas russas com esse gesto tão vulgar. Até mesmo existe uma versão de que a "figa" originou-se da expressão alemã fick-fick machen (era assim que soava o tradicional convite alemão ao relacionamento íntimo). Na tradição russa, o símbolo desse gesto foi transformado na indicação de uma recusa categórica.

Peteleco no pescoço


Ilustração: Dmítri Dívin

Esse gesto ligado à tradição de beber russa articula um fraseologismo comum no século 19 e do início do século 20: "derramar por trás do colarinho" (significa ingerir bebida alcoólica). Essa expressão nasceu entre os oficiais: foi inventada por certo coronel Raevskii, “falastrão e brincalhão”.

De acordo com a lenda, ele também inventou outra frase ligada à “bebedeira” – “ligeiramente alto” (“nemnogo podchofe” em russo), ou seja, embriagado. É interessante que esse gesto foi adotado pelos que especulavam com bebidas fortes durante a Lei Seca que Nicolai 2º estabeleceu no Império Russo em 1914.

 

Publicado originalmente pela Russkaia Semiorka 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.