Blogueiros russos defendem vitória de Conchita Wurst no Eurovision

Conquista de cantora austríaca causou controvérsia nos meios de comunicação Foto: RIA Nóvosti

Conquista de cantora austríaca causou controvérsia nos meios de comunicação Foto: RIA Nóvosti

Conquista de cantora austríaca em festival de música europeu causou controvérsia nos meios de comunicação. Defensores dos valores tradicionais decidiram condenar publicamente a barba feminina, mas blogueiros reagiram favoravelmente ao sucesso do 'alter-ego' do estilista e cantor Tom Neuwirth.

Conchita Wurst, a cantora austríaca que venceu o festival de música Eurovision no sábado passado (10), referiu-se à conquista como uma mensagem para alguns políticos, como o presidente russo Vladímir Pútin, e dedicou o prêmio a todas as pessoas que acreditam “em um futuro sem discriminação”. Mesmo assim, alguns políticos e personalidades da Rússia foram enfáticas ao condenar a vitória da mulher barbada.

Nada de novo

Travestis e drag queens já dominaram a música pop na Rússia. A famosa cantora Verka Serdutchka, que ficou em segundo lugar pela Ucrânia no Eurovision 2007, nada mais é do que o artista Andrêi Danilko transvestido. A popular comédia russa “Dia de Eleições”, filmada há 10 anos, também traz o solista barbudo da banda Umaturman com roupas de mulher.

O apresentador do canal Rússia 1, Boris Kortchevnikov, por exemplo, declarou que a apresentação de Conchita foi um réquiem à União Europeia e aos valores tradicionais. “A Europa enlouqueceu de vez”, disse ele, antes de completar que a imagem de um “solitário que não é homem nem mulher, ardendo no fogo do inferno, transmite bem o estado da União Europeia de hoje”.

No entanto, a maioria dos blogueiros russos viu a conquista de Conchita Wurst com naturalidade. “Eu não vejo nada de anormal. Gostei do vencedor, gostei da voz e a música é superlegal”, escreveu o blogueiro sen_semilia na plataforma Livejournal.com.

Em meio a publicação de vídeos do grupo Queen, nos quais Freddie Mercury canta vestido de mulher, a internauta Irina Krachennikova defendeu que “na música pop tudo sempre foi feito para chocar. Isso é um show, e o show é, acima de tudo, imagens provocantes”.

A mesma opinião foi apresentada por Natália Kramuchenko, que trouxe à tona o problema do alcoolismo como influência mais negativa do que “um cantor estrangeiro qualquer”. “Sob o pretexto de saúde psicológica das crianças, as pessoas se assombram com Conchita Wurst. Elas são hipócritas ou não entendem o óbvio”, escreveu.


Verka Serdutchka Foto: ITAR-TASS

“Nos filmes exibidos diariamente na TV tem gente sendo morta, estuprada e fazem propaganda de drogas. Além disso, tem os jogos violentos que as crianças jogam o tempo todo. Então, por que os pais estão agora tão indignados com isso?”, questionou Den04 em sua página na internet.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.