Zeladores tadjiques conquistam principal prêmio de teatro na Rússia

"Nossa estreia foi em setembro de 2012" Foto: teatr.doc

"Nossa estreia foi em setembro de 2012" Foto: teatr.doc

Diretor Vsevolod Lissóvski conta como articulou trabalho em que imigrantes contam suas histórias de vida em cena.

Zeladores e pedreiros do Tadjiquistão e do Uzbequistão receberam o maior prêmio no prestigioso festival de teatro Máscara de Ouro pela performance na peça “Akin Opera”. O diretor Vsevolod Lisovski conta como articulou o trabalho com imigrantes em cena. 

Lenta.ru - Como os zeladores chegaram ao palco?

Vsevolod Lissóvski - Eu tive uma ideia e começei a procurar personagens. Fui para a cidade de Iaroslav, onde há muitos imigrantes tentando encontrar emprego. Lá tentei falar com eles e planejei uma entrevista com algumas perguntas sobre a vida de cada um. Fiquei esperando muito tempo no frio com um cartaz em mãos –“trabalho no teatro”–, mas sem sucesso. Até que fui abordado por um deles, que logo se assustou e fugiu. Foi então que resolvi utilizar a internet para publicar essa oferta de emprego. De fato, os imigrantes usam a internet, todos os meus artistas possuem perfis no Facebook. Para eles, a internet não é um passatempo, mas uma ligação com a terra natal.

A minha intervenção no desepempenho do espetáculo foi mínima: eu apenas ajudava a trazer a história para o público. Não interferia em nenhuma palavra. Eles, às vezes, perguntavam como se pronunciava corretamente uma palavra em russo e eu sugeria que não ficassem tímidos e falassem como eles achassem correto. Eles apenas subiam no palco, sentavam em uma cadeira, contavam histórias de sua vida, ouviam e cantavam algumas canções.

E quais são essas histórias?

Muitas. Por exemplo, um menino uzbeque, Shahrier, contava que não é fácil lidar com seus colegas de classe ou como o conhecimento da literatura russa  o ajudou a conquistar uma vitória moral sobre uma secretária malvada de uma policlínica. Ele vive os problemas relacionados com nacionalidade como os adolescentes: é novo na escola, não é confiante na língua. Naturalmente que a criança se sente intimidada. E no palco ele narrava como se deve tratar esses problemas. Lá na clínica queriam mandá-lo para o “inferno”, mas no final ele conseguiu o que queria. Na minha opinião, isso é uma história de superação na vida.

E quais são os problemas dos adultos?

Um adulto pode encenar e dançar sobre a crise da meia idade, pode dizer o quão difícil é ter três esposas ou como é difícil ser encarcerado em uma prisão no Uzbequistão; ele aprendeu a ver o animal que existe em cada um de nós. Pode ainda dizer em poesia que na infância ele estudou sobre o voo espacial de Valentina Tereshkova (a primeira mulher no espaço) e depois soube que era vizinho da própria Tereshkova –a tia Vália. No entanto, por mais que quisesse muito pedir a ela que mostrasse o foguete, não pôde porque ainda não falava russo. Outra mulher conta como veio pela primeira vez à Rússia. Declara algo ou canta uma canção fazendo uma análise comparativa dos nossos diversos estilos de construção. São essas coisas simples.

A composição do elenco mudou muitas vezes?

Nossa estreia foi em setembro de 2012 –a formação original era com Pokiza Kurbonasenova, Adjam Chakoboev e Adbulmamad Bekmamadov. Encenavam em média uma vez por mês. Não havia uma programação fixa. Assim, o programa variava a cada performance. Infelizmente, Adjam largou a sua maravilhosa dança Karakalpak sobre a crise da meia idade. Teve também Anvar, que encenou uma excelente confissão polígama de suas três esposas, mas ele também desapareceu. Normalmente, o espetáculo é composto de três a cinco pessoas, que contam uma história diferente a cada vez, de modo que não coincidem duas vezes seus papeis. Espero que não seja necessário fazer um programa regular, pois sempre alguém pode não vir, nos deixar, ou ainda simplesmente desaparece –dois atores desaparaceram e um deles em circustâncias muito misteriosas.

Neste momento, Abdul e Adjam não estão trabalhando. Na cerimônia de premiação do “Máscara de Ouro”, Abdul chegou a oferecer aos membros do júri algum serviço barato de reforma. Eu espero sinceramente que as nossas pequenas e médias empresas se interessem na oportunidade única de contratar os vencedores do Prêmio Nacional de Teatro Máscara de Ouro. Eles trabalham como zeladores, encanadores e fazem outros serviços manuais.

O trabalho no teatro possui um incentivo material?

Sinceramente, a folha de pagamento do nosso teatro não compensa. Entre os atores é dividida a receita dos bilhetes vendidos, mas o dinheiro é quase que ultrajante. Para ir à cerimônia do Máscara de Ouro no Teatro Bolshoi, o artista Aleksandr Petjura doou os trajes de gala. Mas se eles precisam de alguma coisa, é sempre pedindo, implorando. 

Há um grande número de espectadores imigrantes?

Absolutamente não. É uma coisa engraçada: os trabalhadores estiveram no palco por dois anos e nunca convidaram seus parentes ou amigos pois é algo bem distante da sua vida cotidiana.  

Talvez eles queiram um roteiro diferente?

“Akin Opera” é uma peça de imigrantes sobre imigrantes, mas não é para imigrantes. Num futuro próximo, o nosso grupo vai focar no projeto “Teatro para Imigrantes”. Com um grupo de atores, o “Teatro.doc”, vamos andar por lugares onde há concentração de imigrantes e fazer curtas apresentações. Vamos identificar alguns pontos fracos e temas que são importantes e interessantes para eles.

 

Publicado originalmente pelo Lenta.ru

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.