Tsiolkóvski, o cientista que falava com os anjos

Ilustração:  Natália Mikhailenko

Ilustração: Natália Mikhailenko

Pioneiro da cosmonáutica, cientista foi um grande sonhador.

Konstantin Tsiolkóvski (1857-1935), cientista russo pioneiro da astronáutica, foi um grande sonhador. Um pouco louco, um pouco ingênuo, muitas vezes ele cometia erros. Mas teve a coragem de sonhar com aquilo que os outros não se atreviam nem a cogitar. Quem, durante a Primeira Mundial, poderia sonhar com viagens para a Lua, engenharia genética, ressurreição dos mortos? O inigualável Tsiolkóvski.

Sua vida começou com uma tragédia. Na infância, Tsiolkóvski teve escarlatina. Sobreviveu, mas a doença o deixou surdo. Além disso, nunca recebeu educação formal, era um autodidata. Aprendeu a ler muito cedo. Acima de tudo, gostava de ler e de inventar. Criou tornos mecânicos, casinhas, relógios de pêndulo e carrinhos de brinquedo.

Apesar da surdez, não se sentia inferior. Pelo contrário. Quando Tsiolkóvski, na infância, apaixonou-se pela primeira vez, escreveu uma carta para a amada: “Sou um homem tão grande, que ainda não existiu e nunca existirá comparável”.

Aos 16 anos ele começou a estudar, por horas a fio, nas bibliotecas de Moscou, até passar fome. Vivia com 10 rublos por mês. No final, conseguiu passar nos exames para o cargo de professor de aritmética.

Tsiolkóvski não parava de inventar. Desenvolvia inúmeras teorias e as enviava para revistas. A primeira teoria que inventou foi a do “zero perturbado”, que comprovava a falta de sentido da vida humana.

Mais tarde, desenvolveu a teoria de gases e enviou-a para Mendeleev. Mendeleev elogiou o jovem cientista e respondeu que a teoria que  ele escreveu já existia havia 25 anos.

Ele inventava algo novo quase todos os dias. Em um curto período ele criou um aeróstato, um  alarme interplanetário, um aquecedor solar, um refrigerador de quarto, uma máquina de escrever, seu próprio sistema de medidas e até um alfabeto humano.

Mas, apesar de ter conseguido patentear algumas dessas invenções, não recebeu qualquer dinheiro por elas. Certa vez, quiseram lhe pagar 500 rublos por uma criação, mas o carteiro não conseguiu encontrar o endereço de Tsiolkóvski. Aquele dinheiro nunca foi lhe pago.

Aos 30 anos de idade, Tsiolkóvski inesperadamente tornou-se escritor. Sentou e escreveu um romance de ficção científica sobre a Lua. O romance tinha tantos detalhes, que dava impressão de que o próprio Tsiolkóvski tivesse ido para lá.

Mais tarde, o cosmonauta Iúri Gagárin relatou que viu no espaço coisas muito semelhantes às descritas por Tsiolkóvski. Em seus livros, o sonhador descreveu em detalhes até mesmo a ausência de peso.

Gênio incompreendido

Ninguém levava Tsiolkóvski a sério. Ele era considerado um louco, comportava-se comportava como um esquisitão, gastava todo seu salário em livros e reagentes. Brincava de pipa com crianças, patinava com o guarda-chuva que usava para pegar impulso com o vento e aumentar a velocidade.

Os cavalos tinham medo de seus guarda-chuvas, o que deixava os camponeses furiosos. Mas Tsiolkóvski não se importava com essas coisas. Era surdo e não ouvia os xingamentos.

Tsiolkóvski acreditava que qualquer matéria tinha uma alma. As coisas animadas e inanimadas eram uma só. A morte não existia, o universo era um só, não havia fronteiras entre os mundos.

A filosofia surpreendente de Tsiolkóvski às vezes parece não ter sentido, e por vezes parece uma introspecção brilhante. Ele afirmou, por exemplo, que a forma geométrica ideal para o homem era a esférica, que todas as pessoas do futuro deveriam ter. Tsiolkóvski acreditava também na clonagem.

Hoje ninguém se lembraria de Tsiolkóvski  por suas excentricidades e filosofia caseira. Mas ele desenvolveu alguns conceitos fundamentais: satélite artificial da Terra, foguete de vários estágios, reator nuclear etc.

É incrível que tudo tenha sido criado do zero. Não havia nenhuma base científica para essas ideias então. Os primeiros aviões caíam, um após outro, e mesmo assim ele escreveu: “Tenho certeza de que as viagens interplanetárias irão tornar uma realidade. Heróis e homens corajosos ainda irão fazer as primeiras vias aéreas: da Terra para a órbita da Lua, da Terra para a órbita de Marte, e ainda mais longe de Moscou para a Lua, de Kaluga para Marte ”.

Certa vez, Tsiolkóvski disse a seus alunos que falava com os anjos, seres de inteligência superior, muito mais avançados do que o ser humano. Para ele, as pessoas no futuro iriam se transformar em anjos. Um dia, a humanidade iria se fundir com o cosmos, tornar-se imortal e transformar-se em energia cósmica.

O professor andava pelas ruas de Kaluga com aparência distraída. Às vezes, sentava-se no chão e começava pensar em algo, encostado no tronco de uma árvore. De perfil, ele se parecia com um mensageiro de outro mundo, uma pessoa do futuro que posara na Rússia por engano.

Após a morte, Tsiolkóvski ficou conhecido como o pai do espaço soviético. Suas ideias foram desenvolvidas por um grande construtor, Serguêi Koroliov.

Claro, ele poderia ter feito tudo sem Tsiolkóvski. Cientistas fizeram todos os cálculos novamente. Mas eles eram apenas cientistas, e Tsiolkóvski, um sonhador. Sem ele, nada teria acontecido. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.