Truque de Totleben salvou Sevastopol no século 19

Monumento ao general Eduard Totleben e defensores de Sevastopol na Guerra de Crimeia, em 1854 e 1855. Inaugurado em agosto de 1909. Fotografia tirada em 1972. Foto: Elantchuk / RIA Nóvosti

Monumento ao general Eduard Totleben e defensores de Sevastopol na Guerra de Crimeia, em 1854 e 1855. Inaugurado em agosto de 1909. Fotografia tirada em 1972. Foto: Elantchuk / RIA Nóvosti

O porto de Sevastopol, na Crimeia, serve de base para Frota Russa do Mar Negro desde o século 18. Mas nem todo mundo conhece a história do general Eduard Totleben, que organizou a defesa da cidade dos britânicos e franceses durante a Guerra da Crimeia, ganhando um tempo valioso para as forças russas.

Reanexada recentemente à Rússia, cidade de Sevastopol é, desde a sua fundação em 1783, associada com a Marinha nacional e muitas vezes chamada de “cidade dos marinheiros”. Mas a história mostra que, depois de perder a sua frota durante a Guerra da Crimeia há 160 anos, os marinheiros de Sevastopol saíram em terra para enfrentar o inimigo em terra.

As batalhas travadas em instalações de defesa asseguraram o seu lugar na biografia do país, juntamente com o nome de seu projetista, Eduard Totleben, uma figura importante na fundação da Escola de Fortificação do Exército Imperial Russo.

Nascido em uma antiga família de colonos alemães que emigraram para a Rússia na primeira metade do século 18, Totleben teve uma carreira meteórica nas Forças Armadas. Como o escritor Lev Tolstói descreveu, “aqui [em Sevastopol] Totleben subiu, em dois anos, de tenente-coronel a general”.

Tudo começou com a transferência do engenheiro para Simferopol, devido à experiência no ataque a pontos fortificados em guerras anteriores no Cáucaso e com a Turquia. Sevastopol se tornou palco das principais batalhas do conflito, que eclodiu depois de a França e a Grã-Bretanha partirem para guerra a fim de evitar um avanço russo na Turquia através do Estreito de Bósforo.

Quando Totleben conheceu o chefe das Forças Russas da Crimeia, o general Menchikov, o comandante se recusou a dar-lhe uma posição. O engenheiro começou, então, a trabalhar como voluntário e logo descobriu que a cidade estava preparada para ataque pelo mar, além de apresentar fortificação fraca em seus outros flancos.

A força combinada britânica e francesa desembarcou na península da Crimeia em 02 de setembro de 1854 e derrotou os russos em Alma, criando um cerco em torno de Sevastopol. Sem tempo para organizar as defesas convencionais, Totleben conseguiu enganar o inimigo, ordenando a construção de postos “cênicos” na margem norte da cidade. Isso conseguiu enganar os oficiais de reconhecimento inimigos, que relatavam “inúmeros e robustos trabalhos de terraplenagem no flanco esquerdo da defesa norte dos russos”.

Borel. General Eduard Totleben. Museu Estatal de História, Moscou. Foto: RIA Nóvosti

A entrada para a baía de Sevastopol já estava bloqueada com navios de guerra russos que afundaram, evitando a aproximação das embarcações aliadas. Consequentemente, elas não eram capazes de desembarcar e invadir a cidade em uma tacada só. Depois de rodear Sevastopol, as forças aliadas francesas e britânicas desembarcaram rumo ao sul.

Apesar de ter ganhado algum tempo, Totleben ainda se via confrontado com a tarefa de transformar a cidade em uma fortaleza bem debaixo do nariz do inimigo. Sistemas de defesa foram construídos com o intuito de criar grupos de artilharia interligados por valas, com baterias espalhadas entre os maiores postos.

A principal fortaleza de defesa estava localizada nos altos comandos da colina Malakhov. O trabalho era ininterrupto e continuou sob fogo inimigo, após o início do cerco em 13 de setembro. Todos os danos causados pelo bombardeio foram reparados na primeira noite, e logo foi iniciado o reforço da frente. Vinte novas baterias de artilharia foram construídas e equipadas até 20 de outubro.

Os franceses concluíram os trabalhos de terraplenagem nas muralhas da cidade logo depois, e Totleben encarou isso como um sinal de que o inimigo se movia para uma guerra de minas. Ele imediatamente ordenou que poços fossem escavados sob a vala de defesa da cidade a fim de combater essa contra-ameaça e rapidamente começou a preparar o equipamento necessário para a colocação de minas.

Um ataque frontal em Sevastopol não poderia ir adiante sem os trabalhos preparatórios de engenharia, e a colocação de minas era toda uma ciência por si só. Os sabotadores começaram a trabalhar em vários túneis falsos para distrair os russos e forçá-los a concentrar esforços na neutralização de uma escavação subterrânea por vez.

Mesmo antes da guerra, no entanto, Totleben começou a utilizar um dispositivo de som, que basicamente consistia em uma bússola naval comum rebaixada até a entrada da mina. O campo magnético do salitre presente na pólvora infalivelmente virava a agulha da bússola em direção ao túnel da verdadeira mina que estava sendo construída pelo inimigo.

Paralelamente a essa guerra subterrânea, Totleben mudou para defesa ativa em superfície, empregando uma técnica que ele conhecia desde a Guerra do Cáucaso: a criação de barreiras feitas de troncos e outros materiais disponíveis permitiram às forças russas manter a ofensiva e vigiar o inimigo de perto. Como o engenheiro costumava dizer, as barreiras se tornaram os “olhos e ouvidos dos defensores”.

O segundo ataque começou em 28 de março de 1855, durante o qual os aliados tiveram grandes baixas, mas foram capazes de exercer pressão sobre os postos russos. O terceiro e o quarto ataques geraram os mesmos resultados. Os postos foram destruídos, mas reconstruídos após cada ataque. Em 8 de junho, Totleben foi ferido no pé enquanto descia a colina Malakhov e teve que deixar a cidade devido ao aparecimento de gangrena. Ele só retornou a Sevastopol em 24 de agosto.

Franz Roubaud. O cerco de Sevastopol em 1854-55. Panorama. O artista retratou um dos dias mais dramáticos, quando 75,000 tropas russas repeliram um ataque da força aliada anglo-francesa com 173.000 integrantes Foto: Aleksandr Liskin / RIA Nóvosti

Três dias depois, viu da janela do quartel as barricadas do forte do Norte que, apesar de grandes esforços, haviam tomado a colina Malakhov. Isso significou a queda do flanco sul e, em seguida, de toda a cidade. Durante o recuo, os russos incendiaram Sevastopol, explodiram suas lojas de pólvora e afundaram os navios de guerra que restavam na baía.

Depois da queda da cidade, Totleben usou sua experiência recém-adquirida para preparar a defesa de Nikolaiev, cuja dominação abriria caminho para a aliança antirrussa avançar pelas estepes ao norte do Mar Negro. No entanto, os aliados sondaram as capacidades defensivas da cidade, mas não insistiram na ofensiva. As ambições russas tinham sido frustradas até então, e a guerra havia sido essencialmente vencida.

Nas negociações de paz em 1856, a Rússia foi obrigada a ceder quaisquer posses dos otomanos e proibida de criar um arsenal naval no mar Negro – proibição esta que ficou em vigor até 1870. Depois da campanha na Crimeia, Totleben dedicou-se à ciência da fortificação. Ele foi nomeado diretor do departamento de engenharia do Exército e passou o resto de seus dias desenvolvendo novos sistemas de linha de defesa para uso nas fronteiras da Rússia.

O regresso do engenheiro a Sevastopol se deu apenas depois de sua morte e sepultamento temporário na Alemanha, em 1884. Seus restos mortais foram reenterrados no Cemitério Fraternal de Sevastopol.

 

Aleksandr Korolkov é doutor em Ciências Históricas.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.