A arte de cozinhar para os líderes

Além de cozinhar para líderes russos, Beliáev comandou a cozinha para recepcionar Fidel Castro e Margaret Thatcher Foto: Dmítri Astakhov/RIA Nóvosti

Além de cozinhar para líderes russos, Beliáev comandou a cozinha para recepcionar Fidel Castro e Margaret Thatcher Foto: Dmítri Astakhov/RIA Nóvosti

Viktor Boríssovitch Beliáev, presidente da Associação dos Mestres da Culinária, cozinhou durante mais de trinta anos para os dirigentes da Rússia. Ensinou Indira Gandhi a preparar talharim e suscitou a admiração de Nixon. E aponta árabes, sul-coreanos e romenos como os mais caprichosos à mesa.

O futuro mestre culinário queria ser arquivista. Mas isso antes de ter reparado num anúncio de um curso afixado na porta da Escola Profissional de Culinária. Foi o que confessou Viktor Beliáev ao jornal “Moskovski Komsomolets”. Quando soube que teria direito a uma boa bolsa, não hesitou. Concluído o curso, quis a sorte que fosse colocado no restaurante “Praga”, um dos mais famosos de Moscou.

Durante muito tempo, o futuro cozinheiro do Kremlin se sujeitou a arranjar peixe e carne, e a descascar batatas. Certa ocasião, fez parte de uma equipe que serviu um banquete no Kremlin, e foi convidado para aí ficar. “Tive uma professora de culinária, Zinaída Vassílievna, que gostava de mim, pois comecei a sair-me bem com sopinhas e tudo o resto. Seu tio era diretor do Grupo de Alimentação do Kremlin. Foi graças a ela que fui colocado diretamente na cozinha especial do Kremlin, e não na cantina para os funcionários”, recorda Beliáev.

Na época, havia duas cozinhas privilegiadas: uma, para os membros do Bureau Político do Partido Comunista; outra, para os representantes do governo. “Eu fui destacado para esta última. Era um trabalho fascinante. A primeira coisa que vi, foi fogões a gás, depois eletrificados, trazidos da casa de campo de Goebbels, com dez metros de comprimento. Trabalhei aqui catorze anos”, acrescenta.

Ali se cozinhava diariamente para grandes e pequenas recepções. “Cozinhei para Fidel Castro, Margaret Thatcher, Indira Gandhi, Nixon, Helmut Kohl, Carter, Giscard d'Estaing e muitas outras personalidades mundiais. Foi muito interessante para mim”, conta o cozinheiro.

Antes de começar a cozinhar, uma equipe composta por médicos, funcionários protocolares e outros, pertencentes à comitiva estrangeira, explicava quem gostava de quê, quem podia comer o quê, pois alguns deles tinham suas doenças crónicas.

“Os representantes dos países árabes eram muito diferentes: não comiam nossas sopas nem nossos outros pratos. Nestes casos, vinha pessoal das respetivas embaixadas e com ele aprendíamos a cozinhar pratos daqueles países”, lembra.

De um modo geral, os estrangeiros gostavam da mesa russa, e alguns até pediam receitas. “Gandhi adorou o talharim, que fiz com gemas de ovos. Entrou na cozinha e pediu a receita. Alguns meses depois, ela chegou para um fórum qualquer e calhou-me estar de turno. Se dirigiu à cozinha propositadamente para me dizer que tinha cozinhado talharim segundo a minha receita e que a família havia adorado”, comenta.

Certa vez, Viktor decidiu pôr à prova suas competências num outro país, e resolveu partir com a família para a Síria. Começaram sentindo falta do pão de centeio, de kefir, arenque em salmoura, e não gostaram do clima. Por isso, regressou a Moscou.

Passou a trabalhar na antiga casa de campo de Stálin, arredores de Moscou, que servia de casa de hóspedes do primeiro presidente da URSS, Mikhail Gorbatchov. Depois veio Boris Iéltsin, o primeiro presidente da Rússia, e Beliáev regressou ao Kremlin.  Foi criada então uma sociedade holding intitulada “Complexo de Alimentação do Kremlin”, que Viktor encabeçou durante oito anos. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.