O filme mais comentado do ano

Apesar de estereótipos, comédia de baixo orçamento ajuda estrangeiros a entender país por meio de uma festa de casamento.

Comédia de estreia do diretor Jora Krijonikov, "Gorko!", conta a história de uma festa de casamento de província, com os convidados enchendo a cara até não poder mais.

Um ‘trash’ assumido, sem qualquer pretensão artística, o filme foi provavelmente o mais comentado pelo espectador russo.

Na sinopse, o talentoso casal composto por Natasha e Roman sonha em ter uma festa de casamento à moda europeia e à beira-mar, mas o padrasto de Natacha tem outros planos. Gestor municipal, ele vê a festa como trampolim para a própria carreira.

O casal, entendiado pela ideia de uma noite de cerimônias fechadas em um restaurante, como manda a moda russa, resolve fugir e casar longe dos parentes. Mas o destino faz com que as celebrações se fundam em uma só.

A audiência estrangeira comenta o filme:

Tom Barton, britânico:

"É um filme bem colorido e animado que parece ser mais real e menos encenado do que todos os outros filmes russos a que assisti antes. Acho que o casamento é perfeitamente possível de acontecer nas grandes famílias da Grécia, da Espanha ou entre os ciganos. Por outro lado, em 'Gorko!' se sente o leitmotiv do 'que se danem as autoridades!', coisa que já não é típica das culturas citadas. Mas já estive em casamentos russos e, por vezes, se veem cenas de bebedeiras repulsivas e comportamentos absolutamente inaceitáveis. 'Gorko!' toca de modo perspicaz o tema moderno de que os jovens casais não querem arcar com o ônus das antigas tradições de casamento, mas, apesar disso, amam o calor que emana de uma grande família".

Ikura Kuwajima, japonês:

"Fiquei com a impressão de que o autor brinca com os estereótipos de diferentes classes sociais da Rússia. Cada estereótipo tem sua própria verdade, por isso ficou engraçado. Por outro lado, não teve nada de inesperado nesse 'trash'. Acho que, na realidade, mais da metade das personagens passariam o tempo todo dizendo palavrão assim que ficassem bêbados, ou mesmo enquanto sóbrios. Mas é claro que nesse caso o filme não seria apropriado para o público. E algumas coisas são exageradas. O filme parece ter mais absurdos que surrealismos. "


Foto: kinopoisk

Marta Allevato, italiana:

"No sul da Rússia, tal como na Itália, o casamento é assunto a família e, por isso, essa acaba, muitas vezes, envolvendo-se na organização do evento. A primeira parte do filme é engraçada, mas depois ele se torna chato, com muito barulho e sempre a mesma cena: russos bêbados como gambás que não sabem o que fazer. A surpresa é o fato de, no final, os recém-casados preferirem, pelo menos ao que parece, a tradição. Eles não ficam felizes com a festa bacana no estilo Ibiza que um amigo organiza para eles nas margens do Mar Negro. Pessoalmente, nunca estive em um casamento russo. Provavelmente em Moscou aquilo não aconteceria, mas na província até que é possível, não?"

Anna Malpas, britânica:

"Depois de assistir ao filme, fiquei com vontade de ir para Gelendzhik. Já fui convidada e compareci a um casamento russo em uma cidadezinha de província e em cerimônia civil no cartório. Daí fomos para um restaurante, onde todo mundo acabou dançando. Por isso eu já estava esperando algo assim. Já estive em casamentos nos EUA e na Austrália e me parece que existe um pouco de  semelhança entre eles: é uma grande festa com pessoas que pouco se conhecem e com quem às vezes não é fácil conversar. Acho que 'Gorko!' pode se considerar a resposta russa ao filme 'Quatro Casamentos e um Funeral' e a 'Missão Madrinha de Casamento'. O que me pareceu bastante diferente da Grã-Bretanha é o fato de no filme não se notar a grande diferença entre o estatuto social dos pais da noiva e do noivo, mas apenas as diferenças de gerações. Vemos no filme que os pais da noiva são mais ricos e mais poderosos, mas que ambas as famílias precisam daquela união, onde todo mundo bebe e dança. Duvido que uma coisa assim fosse possível na Grã-Bretanha: o casal rico iria querer uma cerimônia de casamento e recepção bem mais formais".

Jackie Kerr, norte-americano:

"O filme é meio bobo, mas muito engraçado. Para ser sincero, eu nunca fui a um casamento de verdade na Rússia, embora tenha estado em casamentos de amigos russos nos Estados Unidos. Parece que depois deste filme entendo finalmente a letras da canção dos Gogol Bordello 'American Wedding' ('Onde está a vodka, onde está o arenque?'). É definitivamente uma ordem de celebração diferente da dos EUA. O choque cultural entre as gerações é engraçado, se levarmos em conta o que está acontecendo nos EUA, onde a geração mais jovem bebe e dança mais do que os mais velhos - e aqui vemos o oposto. Nos EUA as festas de casamento não são tão caóticas. As pessoas, claro, vão para se divertir, mas, apesar de tudo, existem certos limites que não ultrapassam".

Fonte: YouTube

 

Publicado originalmente pela revista Bolshoi Gorod

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.