História do xale de lã de Orenburg remonta ao século 18

Na unidade federativa de Orenburg, encontram-se algumas fábricas especializadas em produção industrial dos xales de lã Foto: Lori / Legion Media

Na unidade federativa de Orenburg, encontram-se algumas fábricas especializadas em produção industrial dos xales de lã Foto: Lori / Legion Media

Peça é símbolo tradicional da Rússia junto com pão de mel de Tula, pintura à Khokhloma e renda de Vologda.

A história do xale de lã de Oremburgo começa na unidade federativa com o mesmo nome, onde foi criada a raça única de cabras com pelos macios, porém resistentes, adaptadas às condições climáticas severas caracterizadas pelas baixas temperaturas e tempestades de neve na época de inverno. Com a espessura de 17 micrometros, o pelo destes animais é quatro vezes mais fino que um fio de cabelo humano e 1,5 vezes menos espesso que lã de angorá.

História

Os primeiros xales de lã do tipo foram confeccionados há cerca de 250 anos e já na metade do século 18 chamaram atenção dos cossacos vindos dos Montes Urais, de pesquisadores e dos recém-chegados moradores da região da cidade-fortaleza.

Os imigrantes ficaram impressionados com a capacidade dos calmucos e casákhos, povos nativos da região, de aguentar as baixas temperaturas na época de inverno, que chegavam até -40ºC, usando roupas aparentemente finas, mas logo descobriram o seu segredo: era o pelo das cabras criadas no local que permitia segurar o calor e manter o corpo aquecido. Os cossacos começaram a trocar as roupas de lã feitas por nativos por chá e tabaco e, com o passar do tempo, as suas mulheres alteraram a estrutura sólida de malha, introduzindo as partes de renda e bordado.

Os xales de lã feitos artesanalmente possuem apenas cores naturais, tais como branco, marrom-escuro e cinza, e custam de 100 a 1.500 euros, dependendo da complexidade de desenho e das dimensões da malha.

O resultado da mudança na tecnologia de fabricação dos xales permitiu-os conquistar  fama mundial já na sua primeira exposição internacional, que aconteceu em Paris em 1857. No entanto, o verdadeiro sucesso dos xales e de outros produtos de Orenburg veio apenas no final do século 19, marcado pelo fim da época do Império Russo, devido ao lançamento no território inglês de uma linha de fabricação dos produtos rotulados como a "Imitação de Orenburg", mais baratos que os itens originais.

No final do século 19, altos valores e crescente demanda pelos xales de lã contribuíram para o rápido desenvolvimento da indústria de sua fabricação, aumentando a quantidade total de tecelões para 20 mil pessoas até o ano de 1910.

Tipos de xales

Os xales de lã de Orenburg não possuem muita variedade e são divididos em apenas três grupos: simples (ou xale), malha fina e estola. Os dois últimos tipos referem-se aos produtos finos e delicados com desenho sofisticado usados exclusivamente como enfeites e fabricados pelos tecelões dos vilarejos Jeltoe e Chichma. Apesar das dimensões marcantes (um xale padrão mede 210x210 centímetros), a malha fina composta por 2/3 de lã 1/3 de seda facilmente caberá na casca de um ovo de ganso ou passará pela aliança de casamento. É assim que a sua autenticidade foi verificada nos séculos passados. A produção artesanal de um item destes demora cerca de um mês.

Na unidade federativa de Orenburg, encontram-se algumas fábricas especializadas em produção industrial dos xales de lã, o que permite baixar o seu preço, mas elimina qualquer diferença e características únicas pertinentes aos produtos feitos a mão pelos tecelões que pessoalmente elaboram os desenhos das suas criações. A maioria dos desenhos usados nos xales possuem apelidos populares, tais como a "espinha", "patas de gato", "framboesa redonda" e "daminhas", entre outros.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.