Salto alto na neve: a moda nas ruas de Moscou

Foto: RIA Nóvosti

Foto: RIA Nóvosti

Nós temos realmente outra aparência. E há causas objetivas que levaram a isso, uma delas a “cortina de ferro”, que privou por muitos anos os cidadãos soviéticos de roupas boas e elegantes.

"A minha impressão é que as russas –pelo menos em Moscou– são mais elegantes e acompanham mais as tendências da moda do que as americanas", diz Lara, uma norte-americana que vive na Rússia há vários anos. A frase soa inesperada. Especialmente para a maioria dos russos, que internamente se envergonha um pouco da sua aparência na frente de estrangeiros.

Nós temos realmente outra aparência. E há causas objetivas que levaram a isso. Durante anos, a “cortina de ferro” privou os cidadãos soviéticos de roupas boas e elegantes. A moda internacional chegava até nós sempre com atraso e, na maioria dos casos, através dos filmes e das peças importadas que raramente penetravam no comércio soviético e que, quando penetravam, levavam à formação imediata de longas filas. Foi então que, no pano de fundo desta "privação de vestuário", estourou a Perestroika e a transição para a economia de mercado.


Foto: RIA Nóvosti

No entanto, naquela altura –década de 1990–, as grandes empresas ocidentais ainda temiam o mercado russo e o país era basicamente inundado com os “panos” chineses e turcos. As pessoas corriam ávidas em busca de estampas coloridas e lantejoulas, dos modelos em voga e da oportunidade de exteriorizar a sua individualidade no vestir. Hoje já operam na Rússia praticamente todas as empresas de roupa do mundo, mas o hábito dos excessos permanece enraizado em muitas pessoas.

"No início, o estilo dos russos se vestirem parece um pouco vulgar, mas quando você percebe que isso é simplesmente a exteriorização de uma cultura diferente e que a norma é mesmo essa, aí você começa a se acostumar a até a achar bonito", diz um francês que vive na Rússia há alguns anos. Ele continua: "As garotas se veem particularmente bonitas, usam muito mais salto alto e vestidos, até mesmo no inverno e com neve. Isso me surpreendeu muito. Já os homens e as pessoas mais idosas ligam pouco para a aparência, pelo menos em comparação com os europeus."


Foto: Reuters

De fato, é um fenômeno normal no país ver uma mulher com sapato de salto agulha bem alto, com finas meias-calças de nylon nas pernas e vestindo uma curta jaqueta de penas em uma temperatura de trinta graus negativos. Fazer o quê? Metade do ano é inverno, não dá para andar o tempo todo com um casacão de pele até o chão e com bota forrada. Dá vontade de andar bonita pela rua.

As mulheres estrangeiras apreciam esta característica das russas. Lara, por exemplo, diz: "Eu também uso sapato de salto mais alto do que aquele que usaria se estivesse nos EUA e presto mais atenção no que as outras mulheres estão usando na rua. Isso acaba influenciado o tipo de roupa e acessórios que eu compro. Por exemplo, alguns anos atrás eu reparei que toda mulher russa usava bolsa de couro, então agora eu tenho a minha própria bolsa de couro. Também me dei conta de que este ano estão usando muito em Moscou botas de couro de cano alto e tacão plano, por isso já estou procurando um par dessas botas."


Foto: GettyImages/Fotobank

É preciso levar em conta também a diversidade climática em que vivemos. Ter um roupeiro muito variado acaba sendo uma necessidade. Os dias ensolarados na Rússia não são muitos e a alma pede um consolo, compensado com o uso de uma roupa mais bonita.

Em compensação, atualmente, a concentração de mulheres elegantes nas grandes cidades da Rússia é comparável à de Nova York e Londres. As russas se esforçam por criar uma imagem sóbria integral, escolhem uma bolsa que combine com os acessórios e com os sapatos e prestam atenção à combinação de cores e texturas.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook