Jovem bailarina acusa Bolshoi de extorsão

Além de suborno para subir aos palcos, Womack revelou irregularidades relacionadas ao seu salário Foto: joywomack.com

Além de suborno para subir aos palcos, Womack revelou irregularidades relacionadas ao seu salário Foto: joywomack.com

Em entrevista ao jornal “Izvéstia”, a bailarina americana Joy Womack afirmou que um funcionários do teatro propôs pagamento de US$ 10 para que tivesse uma chance de subir ao palco.

Joy Womack, 18 anos, é a primeira bailarina americana a receber uma vaga na Academia de Balé Bolshoi. Contratada pela companhia em 2012, a bailarina não recebe qualquer papel desde setembro deste ano, apesar dos elogios constantes dos chefes do teatro.

Womack alega que um “respeitável” membro da companhia, cujo nome não quis revelar, disse a ela que o pagamento de R$ 10 a ajudaria a conseguir um papel de destaque.

A oferta teria sido feita após Serguêi Fílin, diretor artístico do Bolshoi, voltar ao teatro depois de passar por um tratamento na Alemanha. Fílin sofreu queimaduras de terceiro grau no rosto e olhos, quando agressores desconhecidos o atacaram com ácido no início do ano. Pouco depois do incidente, um porta-voz do Teatro Bolshoi confirmou que Fílin havia recebido várias ameaças.

Pável Dmitritchenko, ex-solista principal Bolshoi, está sendo atualmente julgado por planejar o ataque. Durante o julgamento, Dmitritchenko acusou Fílin de assumir uma postura parcial ao fornecer papéis para os dançarinos, dando a entender que o diretor estaria envolvido em práticas corruptas.

Womack disse ao “Izvéstia” que a assessora de Fílin, Diliara Timergazina, se comportava de maneira “estranha” em relação ao seu pagamento. “Assinei um contrato para o período de setembro a março, com um salário de 198 mil rublos [6.000 dólares], sobre o qual pagava 33% de impostos. Mais tarde descobri que eu não tinha um número de identificação fiscal, apesar de meu salário ser tributado”, revelou a bailarina.

Ela disse ainda que não recebeu por uma série de performances, embora assuma que as apresentações irão melhorar a sua reputação como bailarina. Womack garante que o ex-vice-diretor do teatro, Ruslan Pronin, estava ciente de toda a situação.

Todos os profissionais mencionados por Womack na entrevista do “Izvéstia”, incluindo Serguêi Fílin e seus representantes, se recusaram a fazer comentários sobre as denúncias.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow News

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.