Coletivo de arte urbana de São Paulo é destaque em festival de São Petersburgo

 “A sensação de pedalar seis quilômetros pela cidade com tantas pessoas atrás de nós foi sensacional”, diz Marotta Foto: Man Press Centre photo

“A sensação de pedalar seis quilômetros pela cidade com tantas pessoas atrás de nós foi sensacional”, diz Marotta Foto: Man Press Centre photo

Em setembro, as ruas de São Petersburgo se transformaram em uma tela em branco para a arte experimental em vídeo dos jovens artistas de São Paulo do coletivo VJSuave.

O coletivo de arte urbana de São Paulo VJSuave, composto pelo brasileiro Ygor Marotta e pela argentina Ceci Soloaga, está na vanguarda da experimentação audiovisual –suas criações são uma síntese de imaginação e realidade, uma mistura de imagens animadas, “grafite digital”, música e paisagens urbanas. Seu vídeo “Homeless”, no qual as ruas escuras de São Paulo servem de pano de fundo para animações dinâmicas, contou com o apoio da MTV brasileira e é um dos vários vídeos do VJSuave que se tornaram sucesso na internet. Na verdade foi através do site Vimeo que o VJSuave começou a chamar a atenção dos organizadores do Festival de Cinema Mensagem ao Homem, de São Petersburgo, que logo entraram em contato com os dois artistas e os convidaram a participar do evento deste ano como convidados oficiais.

O Festival de Cinema Mensagem ao Homem não é apenas o mais antigo desse gênero na Rússia, como também é o principal festival de documentários, filmes experimentais e de animação do país. Trata-se de um evento de importância mundial no circuito internacional de festivais de cinema e é classificado como um festival de cinema classe A pela FIAPF (Federação Internacional de Associações de Produtores de Filmes).

Desse modo, um convite para voar meio mundo para mostrar sua arte em vídeo em vários shows experimentais ao vivo em um festival tão renomado foi uma oferta que o VJSuave não pôde recusar. “Essa foi a primeira oportunidade que tivemos de mostrar nosso trabalho de formas diferentes”, disse Marotta em entrevista exclusiva à Gazeta Russa. “Nós nunca havíamos feito tudo em um único festival e aqui nós tivemos essa chance.”

Foto: Man Press Centre photo

Durante o festival, o coletivo também projetou animações em um prédio no distrito de Petrogrado, em São Petersburgo, executou uma performance audiovisual no Espaço Artístico Tchetvert e deu uma aula master de grafite digital. Além disso, Ygor integrou o júri experimental do festival, que foi presidido pelo controverso especialista em arte e galerista russo Marat Gelman. 

A dupla, que se conheceu na Argentina há cerca de quatro anos, escolheu se estabelecer em São Paulo por causa da vigorosa cena artística da cidade. “Em São Paulo, nós podemos viver de arte, já em Buenos Aires simplesmente não há dinheiro para fazer eventos de projeção”, disse Ygor.

As iniciais VJ referem-se ao termo “Vídeo Jockey”, e suave significa macio ou agradável em português. Soloaga explicou: “Nós começamos tocando em clubes como DJs, por isso tivemos de escolher um nome. Uma vez que a nossa estética é tão diferente da de outros DJs –é tão suave– queríamos um nome que fosse suave.”

A dupla abandonou os empregos no ramo da publicidade para dedicar todas as suas energias ao projeto. “Nós queríamos nos expressar, e vimos uma brecha no sistema”, continua Soloaga. “Então decidimos levar isso às ruas, é por isso que criamos o triciclo.”

O triciclo ao qual Soloaga se refere é uma bicicleta modificada, cuja frente possui uma estrutura especial apoiada sobre duas rodas para carregar um projetor que funciona com bateria de carro. A invenção desse veículo permitiu que a dupla criasse uma nova forma de arte –usando edifícios e paisagens urbanas como tela para suas projeções animadas conforme eles se deslocam. Desse modo, eles já trouxeram suas animações para as ruas de diversas cidades europeias. 

Em São Petersburgo, como parte do festival, Marotta e Soloaga usaram o triciclo para conduzir um desfile de bicicletas pelo centro histórico da cidade para marcar o Dia Mundial sem Carro e conscientizar as pessoas sobre a necessidade de melhorarias na infraestrutura da cidade para bicicletas. 

Ver centenas de bicicletas atravessando uma ponte sobre o rio Neva sob a luz da lua com projeções animadas dançando foi uma cena encantadora e uma metáfora poderosa para os princípios humanistas defendidos pelo festival.

Foto: Man Press Centre photo

Soloaga relatou que liderar o desfile, que foi aberto a todos, foi uma experiência emocionante: “Nós estávamos muito felizes –havia muita gente e todos estavam curtindo as projeções”, ela disse. “Eu amei pedalar pelo centro da cidade, sobre os canais e atravessar o rio. Me deu um frio na barriga.”

Marotta concorda: “A sensação de pedalar seis quilômetros pela cidade com tantas pessoas atrás de nós foi sensacional.”

Embora fosse improvável que o VJSuave conseguisse escapar do mau tempo de São Petersburgo –seu show de grafite digital ao ar livre foi interrompido por causa dos ventos fortes e da chuva gelada– eles estavam ansiosos para expressar seu entusiasmo pela visita à Rússia e empolgados com o comparecimento a seus shows e com a recepção que receberam da população local. “Para mim a melhor parte dessa viagem foi o povo russo, eles são realmente amáveis, realmente calorosos”, disse Soloaga. “Nós gostaríamos de voltar algum dia.”

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.