Organizadores do Festival de Teatro Tchekhov comemoram sucesso em 2013

Peça "Raoul", do diretor francês Jérôme Sabre Foto: site oficial do festival (chekhovfest.ru)

Peça "Raoul", do diretor francês Jérôme Sabre Foto: site oficial do festival (chekhovfest.ru)

Mais tradicional evento de teatro de Moscou trouxe trabalhos de Robert Lepage e Matthew Bourne, entre outros. Neste ano, moradores de outras cidades, como São Petersburgo e Iekaterinburgo, também puderam acompanhar o festival dentro do programa regional.

Iniciada em maio, a 11a edição do Festival Internacional de Teatro Tchekhov, o mais famoso de Moscou, chega ao fim com um balanço mais do que positivo para a organização do evento.

“Considero que o festival foi um êxito”, disse o diretor-geral, Valeri Chadrin. “Primeiro, por ter suscitado um grande interesse, como prova o fato de todas as salas terem lotado. Segundo, por este ano termos alargado a extensão do festival. Foi realizado o programa regional –complexo, mas brilhante–, que permitiu ao público de São Petersburgo, Ekaterinburgo, Samara, Voronej e Khanty-Mansiysk assistir aos espectáculos do festival.”

A edição deste ano contou com espetáculos de vários gêneros: dramáticos, musicais e coreográficos.

“É nossa intenção mostrar a diversificação do mundo teatral” frisou Chadrin. “Não nos focamos em espetáculos exclusivamente dramáticos. Nos países da América Latina, Ásia e África, os trabalhos dramáticos não são realmente como nós os entendemos.”

“Naqueles países, as encenações enraízam-se nas culturas nacionais de música e dança. Hoje em dia, o mundo teatral desenvolve-se na junção de várias culturas, vários tipos e gêneros de arte. Procuramos oferecer um quadro do teatro de todo o mundo, em toda a sua imensa variedade”, completa.

Nesta edição, o público pôde conferir trabalhos de Robert Lepage, Matthew Bourne, James Thierrée, Victoria Thierrée-Chaplin e Maria Pages –a exímia intérprete de flamenco espanhol que finalizou a festa.

Entre as novidades, pela primeira vez, o festival contemplou Portugal, com a apresentação de “Sombras”, do encenador Ricardo Pais, no Teatro Nacional de São João. Os moscovitas tiveram a oportunidade de conhecer, ainda, a arte singular da coreógrafa Lin Li-Chen, da companhia Legend Lin Dance Theatre, da cidade taiwaniana de Taibai.

Também pela primeira vez, a conhecida companhia israelita Batsheva Dance Company, dirigida por Ohad Naharin, esteve no festival. Dentro do programa dos Espetáculos Mundiais, a estreia foi da jovem encenadora bielorrussa Ekaterina Averkova, com “Escritório”, no Teatro Nacional Acadêmico Ianka Kupala.

O Festival Tchekhov participou da produção de dois espetáculos contemplados pelo programa: “Síndrome de Orfeu”, baseado nas obras de Maiakovski e Cocteau, trabalho conjunto do Théâtre Vidy-Lausanne (Suíça) e do SounDrama Studio, em parceria com Rudder-Bejarre School (Lausanne), com encenação de Vladímir Pankov.

Os espetadores russos ainda assistiram a outro trabalho conjunto, do teatro Escola da Arte Dramática e do Laboratório de Dmítri Krimov: “Como Gostais”, inspirado na peça de Shakespeare “Sonho de Uma Noite de Verão”.

“No próximo festival, pensamos fazer um trabalho combinado com o Festival de Edimburgo. O tema central será a Primeira Guerra Mundial (criação do encenador russo Vladímir Pankov). A estreia será em Edimburgo e depois a peça virá para Moscou para o festival Tchekhov”, comunicou Chadrin.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.