Museu de Belas Artes sob nova direção

Antonova administrou o museu Pushkin por 52 anos Foto: RIA Nóvosti

Antonova administrou o museu Pushkin por 52 anos Foto: RIA Nóvosti

Ex-diretora e atual presidente da instituição, Irina Antonova, foi responsável por grandes projetos envolvendo os principais museus do mundo.

Irina Antonova, que durante 52 anos dirigiu o Museu Federal de Belas Artes Pushkin, passou de diretora para presidente do museu, cargo criado especialmente para ela. “Somos eternamente gratos e pedimos a ela para continuar trabalhando no cargo de presidente do museu”, disse o ministro da Cultura da Federação Russa, Vladímir Medinski.

A nova diretora, Marina Loshak, especialista em arte e curadora, e que no último ano liderou a Associação de Exposições e Museus “Capital”, da qual fazem parte: o Hall de Exposição Central Manej, o Novo Manej e o Museu e Centro de Exposições “O operário e a trabalhadora do kolkhoz” e outros.

Irina Antonova começou a trabalhar no Museu de Belas Artes Pushkin em 1945 e assumiu o cargo de diretora em 1961. Graduada pela Universidade Estatal de Moscou estudou a arte renascentista da Itália. Antonova é membro da Academia Russa de Educação, membro titular da Academia Russa de Artes, titular da Ordem “Por serviços prestados à Pátria” e detentora de muitas outras condecorações, autora de mais de 100 publicações. Desde 2013 é curadora sênior dos museus estatais da Rússia.

Sob a direção de Antonova foram implementados no Museu de Belas Artes Pushkin, grandes projetos com a participação dos principais museus do mundo e que atraíram um grande número de espectadores: na exposição "Moscou-Paris" (1981), a proximidade entre as obras de Matisse e Picasso com as obras de Kandinsky, Malevich, Filonov e Chagall permitiu  observar a influência e o distanciamento das artes visuais, francesas e russas.

Em 1996, na exposição “Moscou-Berlim/Berlin-Moscou. 1900-1950", as histórias dos dois países se confrontaram na pintura, na arquitetura, na música e nos destinos dos seus criadores. A semelhança entre as ideologias e a estética stalinista e fascista provocou um choque nos espectadores.

Em 2005, a exposição “Rússia - Itália. De Giotto a Malevich” mostrou a influência das culturas dos dois países.

Nas exposições Modigliani (2007), Picasso (2011), Dali (2011), Turner (2012) as filas não diminuíram durante todo o tempo em que duraram as exposições. Agora no Museu pode-se ver “Pré-Rafaelitas: avant-garde vitoriana” e “Ticiano”, da coleção dos museus da Itália.

Ao longo de um ano, o Museu de Belas Artes Pushkin é visitado por cerca de 1 milhão de pessoas. A coleção totaliza mais de 560 mil pinturas, gravuras, esculturas, peças de arte aplicada, monumentos arqueológicos e numismática. Planejado para ser um repositório educacional e público de moldes e cópias de obras clássicas da arte mundial, a partir de 1930, o Museu de Belas Artes Pushkin transformou-se em um dos maiores museus do mundo, abastecido com obras de arte da Europa ocidental provenientes das coleções particulares que foram nacionalizadas, com as obras da galeria estatal Tretiakovskaia e de alguns museus de Leningrado.

Em 1948, a coleção foi complementada com os trabalhos do Museu Estatal da Nova Arte Ocidental, que foi desativado e que havia sido criado com base nas obras das coleções de Sergei Schukin e Ivan Morozov. A coleção foi dividida entre os museus Pushkin e o Hermitage, o que salvou as obras-primas da destruição e da venda para o exterior. Somente em 1974, os visitantes puderam ver esses trabalhos, na mesma ocasião surgiu a oportunidade de mostrar em Moscou os trabalhos de museus ocidentais, em troca dos trabalhos da coleção do Museu de Belas Artes Pushkin.

A ideia de Antonova de recuperar o Museu Estatal da Nova Arte Ocidental e devolver a ele as obras impressionistas e pós-impressionistas que estão no Hermitage foi anunciada para todo o país em uma transmissão direta com o presidente Pútin. O diretor do Hermitage, Mikhail Piotrovski, achou impossível essa transferência de trabalhos. Após inúmeras discussões emocionadas na comunidade dos museus e na imprensa, o Ministério da Cultura tomou a decisão de não transferir os trabalhos do Hermitage para não criar um precedente de divisão das coleções dos museus.

Até agora não foi resolvida a questão dos valores que foram trazidos, na qualidade de troféus, dos territórios ocupados na Alemanha, durante a Segunda Guerra Mundial, que estão armazenados no Museu de Belas Artes Pushkin e não são acessíveis nem mesmo aos especialistas.

Em 2012, o Museu de Belas Artes Pushkin comemorou o seu centenário e foram adotados um novo conceito de desenvolvimento do Museu e a decisão de construir um campus do Museu. A implementação do projeto de reconstrução, proposta por Norman Foster ainda em 2007, irá permitir um aumento de quatro vezes dos espaços de exposição.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies