Morador de Moscou fotografará todas estações de metrô da cidade

Para o projeto, chamada Metrô 365, Berdasov planeja fotografar todas as 188 estações em um ano. Estação de Novoslobódskaia Foto: Flickr / Andrew Griffith

Para o projeto, chamada Metrô 365, Berdasov planeja fotografar todas as 188 estações em um ano. Estação de Novoslobódskaia Foto: Flickr / Andrew Griffith

No projeto Metrô 365, Dmítri Berdasov planeja fotografar todas as 188 estações da cidade em um ano.

Desde a infância, Dmítri Berdasov costumava andar no metrô de Moscou.

Já adulto, ficou 12 anos sem entrar nos subterrâneos da cidade, o que, segundo o próprio, talvez tenha mantido o seu interesse pelo meio de transporte, que agora virou tema de um blog de fotografia criado por ele.

Para o projeto, chamada Metrô 365, Berdasov planeja fotografar todas as 188 estações em um ano.

Em entrevista à Gazeta Russa, ele falou sobre as suas estações favoritas e ainda disse quais delas valem uma visita.

Gazeta Russa - Por que o senhor começou este projeto?

Dmítri Berdasov -Chegou o outono e não havia nada para fotografar, então decidi começar a fotografar o metrô –a primeira estação foi a Slavianskiy Bulvar. E gostei.

Então o LiveJournal [comunidade virtual onde é possível manter um blog]anunciou que daria uma bolsa para projetos, e eu criei o Metrô 365. Como resultado, recebi uma bolsa para desenvolver o meu blog. A esta altura eu já tinha fotografado 15 estações e comecei a entender que tipo de organismo elas são e como são organizadas.

As estações de metrô são feitas segundo algum sistema?

Em princípio, todas as estações, sejam elas novas ou antigas, são divididas em profundas e pouco profundas. As pouco profundas, providas com colunas, são conhecidas como centopéias, enquanto que as profundas existem com colunas ou com paredes grossas com vãos para passagem.

Quais estações um estrangeiro deve visitar em primeiro lugar?

Eu aconselharia as novas –a Pyatnitskoye Shosse, que tem acabamento em mármore preto e branco; é uma das seis estações em Moscou com plataforma curva.

A Stantsiya Mezhdunarodnaia (Estação Internacional) é interessante. Ela leva para a “Moskva City” (Centro Internacional de Negócios de Moscou). E das antigas, que são todas anteriores à guerra, as da linha vermelha, do Park Kultury até Sokolnikov.

Entre as minhas favoritas estão a Electrozavodskaia, construída durante a guerra. Ela possui  paredes grossas e vãos de passagem e foi construída em estilo soviético, com retratos de cientistas, relevos em mármore branco com figuras de soldados, agricultores e trabalhadores da construção civil.

Veja fotos das 10 estações recordistas de metrô de Moscou

Gosto da estação Park Pobedi (em russo, Parque da Vitória). Ela é nova, com utilização de mármore de várias cores e com um painel de um colorido forte, dedicado à Guerra Patriótica de 1812. No outro extremo da estação, há outro painel, em homenagem à Segunda Guerra.

O autor, Zurab Tsereteli, é um pintor e escultor russo com muitos de seus trabalhos espalhados por Moscou.

Na estação Taganskaya, da linha Kolhtsevaia, os arcos azuis nas paredes são feitos em porcelana e as paredes são em cerâmica. Anteriormente, ali ficava uma grande escultura de Stálin, rodeado por militares. Das estações anteriores à Perestroica, gosto da Nagatinskaia, da linha cinza, com mosaicos florentinos de mármore ao longo da parede do túnel.

Que lendas sobre o metrô o senhor conhece?

A internet está repleta delas, mas ninguém sabe se são verdade ou especulação. De Kuntsevo, por exemplo, onde ficava a “datcha” [casa de campo] de Stálin, haveria uma linha de metrô até  o centro –isso, na minha opinião, não é uma lenda. Em alguns trechos não existem somente trilhos, mas também piso para movimentação de trens e carros. Tudo é possível no metrô de Moscou.

O senhor atualmente usa o metrô ?

A partir de 15 de junho, quando todos saírem de férias, será possível dirigir um carro mais tranquilamente na cidade, mas o mais rápido é realmente o metrô. Para os turistas esta é uma atração à parte –todos os estrangeiros querem ver o metrô.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.