Madonna é acusada de realizar shows ilegais na Rússia

Polêmica pode atrapalhar Madonna a obter novo visto no futuro Foto: ITAR-TASS

Polêmica pode atrapalhar Madonna a obter novo visto no futuro Foto: ITAR-TASS

Ministério dos Negócios Estrangeiros russo determinou que o visto de Madonna não lhe permitia fazer apresentações comerciais em Moscou e São Petersburgo, em agosto do ano passado. A reivindicação partiu de um deputado peterburguense, que alegou que o show constituía “atividade comercial ilegal”.

A declaração do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo é uma resposta ao pedido do deputado de São Petersburgo, Vitáli Milonov, autor da controversa lei que proíbe a promoção de valores homossexuais na cidade.

“Madonna não obteve um visto de trabalho, que teria permitido a ela para fazer apresentações comerciais no país”, declarou o ministério, acrescentando que uma vez que a cantora havia sido convidada pelo Ministério da Cultura com um visto de entrada única para três meses, o propósito de sua visita deveria ter sido limitado a “relações culturais”.

“Se a atividade de um cidadão estrangeiro na Rússia tem fins comerciais, inclusive por meio de apresentações pagas, o visitante deve receber uma autorização de trabalho do Serviço Federal de Imigração, e, portanto, deve ser emitido um visto de trabalho normal”, diz o comunicado do órgão russo citado por pelo jornal “Izvéstia”.

Milonov afirmou que os organizadores do show devem ser responsabilizados pela violação. “Aqueles que deram entrada no visto para Madonna devem pagar uma multa de 500 mil rublos [o equivalente a US$ 15.680]”, disse o político.

“Será examinado se ela apresentou os documentos por conta própria. A questão da legalidade da visita de Madonna ao nosso país também virá à tona e da próxima vez será muito mais difícil para ela conseguir um visto”, completou.  

Cabe lembrar que a cantora foi envolvida em uma grande polêmica no show realizado em agosto passado, após se pronunciar em apoio dos direitos dos homossexuais e do grupo punk Pussy Riot, cujas integrantes haviam sido presas por realizar um protesto na Catedral Cristo Salvador, em Moscou.

“Madonna não foi contratada para fazer o show, portanto, não há nenhum contrato que possa servir como base para solicitar um visto de trabalho”, disse ao jornal “Izvéstia” o chefe dos organizadores da turnê, Evguêni Finkelchtein. “No mundo inteiro existe esse tipo de conceito, uma espécie de visto para artista”, acrescentou Finkelchtein. “Para obter o visto de trabalho sugerido por Milonov, levaria uns seis meses, além da necessidade de um contrato de trabalho.”

 

Publicado originalmente pelo The Moscow News 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.