Funcionário teria plantado bomba em avião russo

Checagem de funcionários em aeroporto é posta em questão por analistas

Checagem de funcionários em aeroporto é posta em questão por analistas

AP
Especialistas analisam confirmação do FSB de que queda do A321 foi ataque terrorista.

Na terça-feira (17), o FSB (Serviço Federal de Segurança, órgão que substituiu a KGB) anunciou que a queda do avião comercial A321 da companhia Kogalimavia (conhecida como MetroJet) ocorreu devido a um ataque terrorista a bordo do avião. O explosivo usado teria a potência equivalente a um quilo de TNT, de acordo com o órgão.

O serviço de inteligência russo ofereceu uma recompensa de 50 milhões de dólares por informações  sobre os terroristas. Menos de uma hora após o anúncio, a agência Reuters noticiou a detenção de dois funcionários do aeroporto de Sharm el Sheik. Mais tarde, a informação foi refutada.

Mas ainda há indícios de não ter havido uma checagem apropriada dos passageiros e da bagagem, e especialistas em aviação afirmam que o mais provável é que algum funcionário tenha plantado os explosivos na aeronave.

Funcionários

O material explosivo poderia ter sido infiltrado no avião de diversos modos, e o principal deles seria por meio de um homem-bomba.

Mas, de acordo com o analista independente do fundo Skôlkovo, Vadim Lukachevitch, essa seria a maneira menos provável.

"Um suicida poderia entrar a bordo levando explosivos no corpo ou diversos componentes que ele montasse no avião. Mas, nesse caso, é mais crível que a bomba estivesse na bagagem ou no bagageiro, na estrutura do avião", disse Lukachevitch à Gazeta Russa.

O co-diretor da Associação Russa de Pilotos Leonid Kocheliov diz que a bomba poderia realmente ter sido despachada para o bagageiro, como ocorreu na explosão de 1988 do Boeing 747 de Lockerbie.

Nesse caso, os explosivos só poderiam ter entrado e percorrido o aeroporto com ajuda de funcionários ou carregadores, diz ele.

Após a checagem, a bagagem vai da esteira aos carregadores, e são eles que as depositam nos carrinhos ou contêineres e as acompanham até a aeronave, onde as depositam manualmente.

Após o despacho, a bagagem não é checada novamente. "No avião há dois setores de bagagens: o centro-frontal e o central. Se o Airbus perdeu a cauda, significa que, provavelmente, a bomba estava no setor central", explica Lukachevitch.

Relaxamento

Mas se realmente há algum funcionário do aeroporto trabalhando a serviço do terrorismo, ele poderia instalar explosivos não apenas no bagageiro, mas em muitos outros pontos do avião.

"Existem escotilhas técnicas que são acessíveis a qualquer um que conheça a estrutura do avião. Durante o serviço, é possível inserir nessas escotilhas qualquer coisa", disse à Gazeta Russa o presidente de honra do salão de aviação moscovita MAKS, Magomed Tolboev.

Além disso, pode-se obter uma explosão poderosa com 200 gramas de explosivos em cápsulas.

Ele acrescenta que, com a extinção do cargo de engenheiro de bordo, esses espaços ficaram a cargo dos comissários.

"É um avião fretado. Quem trabalha nele, quem prepara o avião para o voo? Não sabemos", diz.

Em terra, a bomba também poderia ter sido instalada no nicho do chassi, que fica aberto enquanto o avião está parado.

Outra hipótese, segundo Lukachevitch, é que outros funcionários tenham tido acesso ao interior da aeronave para realizar a limpeza. Os explosivos também poderiam ter sido infiltrados com a comida, como no thriller italiano Affare Concorde.

Em teoria, todas essas pessoas passam por controles e scans. Mas os funcionários são checados de maneira diferente e tentam passar objetos pelos portões, segundo Kocheliov. Além disso, ele afirma que, por considerarem os funcionários como conhecidos, sua checagem pode ser feita de maneira mais relaxada.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.