Bomba causou queda de avião no Egito, diz inteligência

Destroços de avião ficaram espalhados em área de 20 km²

Destroços de avião ficaram espalhados em área de 20 km²

AP
Explosão de bomba de produção estrangeira causou a queda do avião russo na Península do Sinai, de acordo com o serviço de segurança russo. Pútin prometeu encontrar e punir os autores de atentado “em qualquer ponto do planeta”.

A Rússia confirmou nesta terça-feira (17) que uma bomba causou a explosão e consequente queda do avião da companhia russa Kogalimavia (conhecida como Metrojet) no Egito, no último dia 31 de outubro, tirando a vida das 224 pessoas a bordo.

Segundo nota publicada no site do Kremlin, o chefe do Serviço Federal de Segurança (FSB, na sigla russa), Aleksandr Bôrtnikov, informou o presidente Vladímir Pútin que traços de explosivos de produção estrangeira foram detectados em meio aos destroços.

“A bordo do Airbus A321 explodiu uma bomba artesanal com potência equivalente a 1 kg de TNT”, disse Bôrtnikov. “Podemos dizer, definitivamente, que foi um ato terrorista.”

O presidente russo exigiu uma investigação imediata para definir e localizar os autores do atentado, “onde quer que eles estejam escondidos”.

“Pelo número de vítimas, o assassinato dos nossos cidadãos no Sinai está entre os crimes mais sangrentos. Não conseguiremos secar as lágrimas de nossa alma e coração. Mas isso não nos impedirá de encontrar e punir os autores. (...) Iremos encontrá-los em qualquer ponto do planeta e vamos puni-los”, declarou Pútin, em reunião no Kremlin.

O Serviço Federal de Segurança anunciou ainda uma recompensa de US$ 50 milhões por informações sobre os responsáveis pelo atentado. “Para quem fornecer evidências que contribuirão para a detenção dos criminosos, será oferecida uma recompensa de US$ 50 milhões”, informou o FSB.

Pouco tempo depois da tragédia na Península do Sinai, um grupo fundamentalista islâmico regional, mas que possui ligação com o Estado Islâmico (EI), reivindicou a autoria do ataque.

Apesar da declaração do primeiro-ministro russo Dmítri Medvedev, que havia admitido a possibilidade de um atentado terrorista, o governo russo vinha mantendo cautela sobre as especulações em torno do episódio. A confirmação da causa pela inteligência russa acontece quatro dias após os atentados em Paris, que deixaram 129 mortos.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.