Três mulheres de ouro para Rússia na Rio-2016

Prata em Londres, Velikaia chega ao Brasil sedenta pelo ouro em esgrima

Prata em Londres, Velikaia chega ao Brasil sedenta pelo ouro em esgrima

Valéri Charifulin/TASS
Devido ao escândalo de doping envolvendo a equipe nacional russa, o número de potenciais medalhistas sofreu impacto. Mas, mesmo com seleção reduzida, essas três atletas são garantia de sucesso para o país no evento, que abre nesta sexta (5).

1. Iana Kudriavtseva, ginástica rítmica

Os torcedores estão acostumados a ver ginastas russas no pódio desde os tempos de Alina Kabaeva, que brilhou no início da década de 2000. Mas Iana Kudriavtseva, atual estrela da Rússia, conseguiu ultrapassar até mesmo a pioneira. Aos 18 anos, Iana já coleciona nove títulos mundiais e estreia nos Jogos Olímpicos como favorita.

Entre seus seguidores Iana é chamada de “anjo com asas de ferro”. Em seu primeiro campeonato mundial, em 2013, em Kiev, a música que embalava sua performance foi interrompida várias vezes ainda na rodada de qualificação; o incidente, porém, não a impediu de completar o programa com excelência.

Kudriavtseva em apresentação solo no Mundial de 2016, em Kazan Foto: Ígor Aleiev/TASSKudriavtseva em apresentação solo no Mundial de 2016, em Kazan Foto: Ígor Aleiev/TASS

“Na verdade, eu nunca fico tensa. Talvez seja apenas como meu sistema nervoso funciona”, disse a ginasta em entrevista ao portal Sport-Express. Nem mesmo um pé fraturado impediu que Iana conquistasse cinco medalhas de ouro no campeonato mundial de 2015, em Stuttgart, na Alemanha.

Na equipe nacional, apesar da concorrência acirrada, ela e sua principal rival, Margarita Mamum, mantêm amizade e até cuidam juntas do cão da equipe, um lulu-da-pomerânia chamado LeBron James.

Fonte: ciciginastica/YouTube

2. Svetlana Romachina, nado sincronizado

O nado sincronizado da Rússia também costuma ser uma garantia de vitória. “Deus nos livre de ganhar prata ou bronze. Aí todo mundo vai esquecer nosso esporte por 10 anos”, diz Svetlana Romachina, a tricampeã olímpica na modalidade.

Romachina tem um histórico que impressiona: além das três conquistas olímpicas, esbanja 18 vitórias em campeonatos mundiais, ela atua individualmente, em dupla ou equipe. A dupla com Natália Ischenko no Rio é uma das grandes promessas.

Romachina deixará nado sincronizado após Rio-2016 Foto: Stanislav Krasilnikov/TASSRomachina deixará nado sincronizado após Rio-2016 Foto: Stanislav Krasilnikov/TASS

Para Romachina, os atuais Jogos Olímpicos são seus últimos, pois já declarou que deseja vai se aposentar para passar mais tempo com a família. Sua carreira de atleta não vai acabar, contudo: ela praticará esportes à vela, por influência do marido.

Deixar o nado sincronizado também dará a Romachina a oportunidade de desenvolver outra paixão: o balé. Há alguns anos, ela ‘cabulou’ treinamento para passar um dia em São Petersburgo e assistir a ‘O Lago dos Cisnes’ no Teatro Mariinsky.

Fonte: Synchro Foro/YouTube

3. Sofia Velikaia, esgrima

Sofia Velikaia faz parte da equipe de elite de esgrima por tanto tempo que parece já ter ganhado tudo – ou quase tudo. Sete vezes campeã mundial, ainda lhe falta o ouro olímpico. Ela teve uma chance há quatro anos, em Londres, mas na final perdeu para coreana Kim Ji-yeon. Por isso, a expectativa para o Rio é grande.

Velikaia celebra vitória no Mundial de 2015, em Moscou Foto: Artiom Korotaiev/TASSVelikaia celebra vitória no Mundial de 2015, em Moscou Foto: Artiom Korotaiev/TASS

Com 31 anos, Velikaia volta ao grande campeonato após ser mãe e vencer, em 2015, o mundial em Moscou, tanto nas competições individuais como em grupo.

“Quanto mais velho o atleta é, mais responsável fica. Ele é capaz de manter a concentração, o estado mental, não prestando atenção às coisas que podem distraí-lo. O atleta fica mais maduro”, disse Velikaia em entrevista ao R-Sport.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.