Atletas russos são impedidos de participar da Rio-2016

Em teoria, apenas uma atleta, cujo controle antidoping é feito nos EUA, onde vive há anos, poderia participar.

Em teoria, apenas uma atleta, cujo controle antidoping é feito nos EUA, onde vive há anos, poderia participar.

AFP / East News
O tribunal esportivo de Lausanne proferiu veredito contra o Comitê Olímpico da Rússia. A participação da equipe inteira está sob questão.

O Tribunal Arbitral Esportivo de Lausanne, na Suíça, decidiu pelo impedimento de 68 membros da equipe de atletismo russa nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. A decisão foi proferida pelo secretário-geral do tribunal, Matthieu Reeb.

"A Rússia não tem direito de nomear atletas aos jogos se não cumprir determinadas exigências", disse Reeb.

A principal razão do boicote aos atletas russos seria a falta de confiança no sistema antidoping do país.

Assim, a única esportista da equipe de atletismo que poderá se apresentar nos jogos sob a bandeira russa é a saltadora a distância Daria Klíchina.

A esportista vive e treina nos EUA há três anos e não tem relações com o sistema antidoping russo.

Ainda resta a questão da participação da equipe russa como um todo nos jogos de verão. O COI (Comitê Olímpico Internacional) anunciou que a decisão será tomada levando-se em conta o veredito do Tribunal Arbitral Esportivo. Isso deve ocorrer até 23 de julho.

"Não vamos deixar barato"

Informado sobre a decisão do tribunal, o ministro dos Esportes russo, Vitáli Mutkô falou sobre corrupção na Associação Internacional das Federações de Atletismo.

"Ela é totalmente corrompida, e isso tudo começou com ela", disse o ministro.

"Serei breve agora, a declaração oficial virá depois. Sinto muito quanto à decisão do Tribunal Arbitral Esportivo de Lausanne. Infelizmente, criou-se a introdução da responsabilidade coletiva de certo incidente. Não esperávamos outra coisa porque, quando o vice-presidente do COI, antes da reunião, afirma que os atletas russos não têm nada a fazer nas Olimpíadas, isso é um sinal grave", disse Mutkô.

De acordo com o ministro, a Rússia "não vai deixar assim" o caso com o atletismo.

O Kremlin se negou a tecer comentários sobre o veredito do tribunal de Lausanne.

"Posso apenas expressar meus sentimentos em relação a tal decisão, porque esse assunto da responsabilidade coletiva, do nosso ponto de vista, dificilmente poderia ser aceitável", disse o porta-voz do presidente russo, Dmítri Peskov.

A bicampeã de salto Elena Issinbáeva, que representa os interesses do Comitê Olímpico da Rússia no Tribunal Arbitral Esportivo de Lausanne, comparou a decisão a um enterro do atletismo.

"O COI tem o direito de tomar sua decisão. Novamente, eles a tomaram, mais como uma negativa, mas o COI pode resolver a questão com os esportistas separadamente", disse. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.