Igreja gera polêmica por reivindicar Catedral de Santo Isaac

Mais de 3 milhões de pessoas visitam a Catedral de Santo Isaac anualmente

Mais de 3 milhões de pessoas visitam a Catedral de Santo Isaac anualmente

Shutterstock/Legion Media
Apesar de receios da população, representantes da Igreja Ortodoxa Russa garantem que templo, um dos símbolos de São Petersburgo, manterá acesso livre a todos. Custo alto de restauração da catedral deve recair sobre orçamento do governo, mesmo que Igreja passe a administrar o espaço.

A administração da Província Eclesiástica de São Petersburgo pediu às autoridades municipais que a Catedral de Santo Isaac passe a ser de usufruto livre e ilimitado da Igreja Ortodoxa Russa. Hoje o templo faz parte do conjunto museológico estatal da Catedral de Santo Isaac.

Segundo o arcipreste Vsevolod Tchaplin, chefe  do departamento sinodal da Igreja Ortodoxa Russa para comunicações sociais, a transferência do monumento para a administração da diocese irá torná-lo acessível a mais visitantes. O mesmo pedido foi feito em relação à Catedral do Salvador do Sangue Derramado, também em São Petersburgo.

“Na Rússia existem muitas igrejas que não têm regime de acesso livre, como é o caso das catedrais do Kremlin de Moscou, mas que não são administradas pela comunidade eclesiástica, e sim por organizações seculares”, disse o arcipreste à Gazeta Russa.

“Para mim, essa é uma situação estranha. Todas as questões relacionadas com a realização de serviços religiosos e restauração de igrejas devem ser primeiramente decididas pela comunidade eclesiástica.”

O pedido recebeu críticas de defensores do patrimônio público e cidadãos que temem que um dos principais símbolos de São Petersburgo venha a ter acesso restrito. Estima-se que mais de 3 milhões de pessoas visitam a catedral anualmente.

No site change.org foi criado um abaixo-assinado contra a transferência da Catedral de Santo Isaac e da Igreja do Salvador do Sangue Derramado para o domínio da Igreja Ortodoxa Russa. A lista já conta com mais de 8.000 assinaturas.

Os deputados da Assembleia Legislativa de São Petersburgo prometeram preparar um recurso e apresentar ao Comitê Eleitoral Municipal uma proposta de realização de referendo sobre o assunto.

A Igreja Ortodoxa Russa garante que, se a decisão da transferência da Catedral de Santo Isaac para a diocese foi aceita, o acesso ao espaço será livre e gratuito para todos.

“A catedral pode ser gerida não por 400, mas por 40 pessoas, incluindo restauradores profissionais e curadores”, disse o arcipreste Tchaplin. “As catedrais que foram transferidas para usufruto da Igreja Ortodoxa Russa, são exemplo de maior acesso e eficiência do que os museus do Estado.”

A Catedral de São Isaac da Dalmácia, construída segundo o projeto do arquiteto francês Auguste de Montferrand em 1858, é Patrimônio Mundial da Unesco. Desde 1948, a catedral funciona como museu.

A Igreja do Salvador do Sangue Derramado também faz parte do conjunto museológico.

A comunidade eclesiástica local tem a permissão da administração do conjunto para realizar missas nesses templos aos domingos e feriados.

Preço nas alturas

O coordenador do grupo de proteção do patrimônio arquitetônico Arkhnadzor, Konstantin Mikhailov, acredita que a questão da transferência da Catedral de Santo Isaac não pode sequer ser discutida enquanto a Igreja Ortodoxa Russa não apresentar garantias financeiras para preservação e restauração do monumento arquitetônico.

O orçamento dos trabalhos de restauração da Catedral de Santo Isaac e da Igreja do Salvador do Sangue Derramado, até 2020, é estimado em quase US$ 13 milhões. Hoje os fundos arrecadados pelo museu são suficientes para manter todo o conjunto arquitetônico.

No caso da Igreja Ortodoxa Russa, para realizar as obras necessárias, será preciso recorrer aos cofres públicos. “Como estamos falando da transferência de imóvel não para propriedade, mas para usufruto da comunidade eclesiástica, os trabalhos de restauração deverão ser financiados pelo Estado”, disse o arcipreste.

No primeiro semestre, as autoridades de São Petersburgo decidiram transferir a Catedral de Smolny, que também integra o conjunto museológico de Santo Isaac, para a jurisdição da Igreja Ortodoxa Russa. Os quase US$ 5 milhões necessários para a restauração de Smolny foram cedidos pelo Estado.

“Na Grécia e em alguns outros países, monumentos cuja fundação remonte a épocas anteriores ao século 19, não podem, em geral, ser transferidos para a propriedade de nenhuma comunidade”, diz o restaurador Viktor Korchunov. “Apenas o Estado consegue mantê-los em boas condições.”

Nos últimos dois anos, a Rússia aumentou os requisitos técnicos para conservação de monumentos. A manutenção de objetos grandes como a Catedral de Santo Isaac e a Igreja do Salvador do Sangue Derramado exigem não só financiamento pesado, como pessoal altamente qualificado.

“Se a Igreja Ortodoxa Russa realmente tiver capacidades financeiras, técnicas e humanas para investir na preservação desses monumentos, então não há o que se questionar. Mas esse tipo de decisão deve ser tomada também levando em conta a opinião dos cidadãos”, conclui o restaurador.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.